rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

Denúncia França Governo Violência sexual Violação Ministro Republicanos

Publicado a • Modificado a

Ministro de Macron suspeito de violação sexual

media
Ministro da Acção e das Contas públicas, em França, suspeito de violação sexual REUTERS/Charles Platiau

França, a direita pressiona o ministro francês da Acção e Contas públicas, Gérald Darmanin, a demitir-se, após o inquérito preliminar sobre acusações de violação sexual, enquanto a maioria continua a apelar ao respeito da presunção de inocência. Um grupo de feministas pede igualmente na Internet ao governo para demitir o ministro, que diz ser vítima de difamação e calúnia.


"Tendo em conta graves acusações contra o ministro francês das Contas públicas, Darmanin e para a serenidade da acção pública, pensamos que ele não tem outra escolha senão demitir-se", declarou um dos porta-vozes dos Republicanos, Maurence Sailliet, na oposição. 

A justiça abriu recentemente em Paris, um inquérito sobre uma acusação de violação sexual, visando o ministro francês, que o contesta vigorosamente com uma queixa por difamação e calúnia.

As acusações de violação, datam de 2009, e uma queixa tinha sido arquivada, por falta de provas, em 2017.

A queixosa é uma antiga call-girl, que acusa Darmanin, quando este era jovem jurista da UMP, com a promessa de a defender num caso de litígio, em troca de sexo.

É o mundo da virtude e imaculaldo do presidente Macron, que "bate com  a cabeça na parede", declara outra drigente da oposição de direita, Lydia Guirois.

Por seu lado, a secretária de Estado para a igualdade entre homens e mulheres, Marlène Schiappa, pediu hoje para se deixar a justiça trabalhar na serenidade.

Posição diferente, teve Aurore Bergé, porta-voz dos deputados do partido em Marcha do Presidente Macron, dizendo que a "presunção de inocência não deve dar lugar à presunção de culpabilidade".

De notar que ontem um abaixo assinado lançado por feministas a circular na Net, pedindo ao  primeiro-ministro, para pôr fim às funções de Darmanin, havia sido assinado por 3.000 pessoas.

Ministro francês do presidente Macron acusado de violação sexual 29/01/2018 ouvir