rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

Governo Eleições Autárquicas Angola MPLA UNITA Oposição Sociedade civil

Publicado a • Modificado a

Eleições autárquicas em Angola dividem poder e oposição

media
Presidente angolano, João Lourenço, quer eleições autárquicas de geometria variável consoante municípios RFI/Daniel Frederico

Foram apresentados esta segunda-feira em Luanda os diplomas para debate público na perspectiva das eleições autárquicas de 2020, em Angola. O ministério da Administração do Território quer que círculos da opinião pública angolana participem com contribuições antes do pacote legislativo ser debatido e aprovado na Assembleia nacional.


O ministro angolano da Administração do Território, apresentou esta segunda-feira, 21, à imprensa,  em Luanda, os projectos de textos legislativos que enquadrarão as eleições autárquicas de 2020, de modo a permitir todo um debate enriquecendo os diplomas a ser aprovados pela Assembleia nacional.

Adão de Almeida, quer implementar assim uma auscultação da opinião pública, nos meses de junho e de julho, cumprindo assim, recomendações do Conselho da república no sentido da obtenção de um amplo consenso.

Aliás o debate político já começou com divergências de pontos de vista entre políticos do partido no poder, MPLA e de partidos da oposição, mas também, membros da sociedade civil, sobre o calendário das eleições autárquicas e disfunções com a constituição angolana.

O governo de Luanda, sustentado pelo MPLA, defende uma realização gradual dessas eleições, alegando assimetrias entre municípios do país.

Por seu lado, os partidos da oposição, apoiados pela sociedade civil, vão no sentido da oposição, defendendo que as eleições autárquicas devem ser realizadas ao mesmo tempo em todo o território nacional.

De Luanda, o nosso correspondente, Avelino Miguel.

Avelino Miguel, correspondente, em Luanda 21/05/2018 ouvir