rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

Cheias Ventos Fortes Beira Criança Sem-abrigo Moçambique África Lusófona Ciclone Idai 2019

Publicado a • Modificado a

Moçambique de novo fustigado por chuvadas e ventos fortes

media
Chuvadas e fortes ventos atingem de novo o centro de Moçambique deixando crianças sem abrigo Rick Emenaket / Mission Aviation Fellowship / AFP

Moçambique vive de novo momentos difíceis com fortes ventanias e chuvadas no centro, nomeadamente, na Beira. De Sofala, chegam relatos que traduzem o verdadeiro drama humano que se vive naquela região, com crianças que não comem e não têmm onde dormir há 2 dias. O desespero leva a que muitas pessoas desafiem a força da água e atravessem os rios a procura de lugares mais seguros.


A água e os ventos fortes pouco pouparam na região centro de Moçambique da Beira e das vilas localizadas ao largo da estrada nacional número 6 agora intransitável, na província de Sofala.

De Sofala, chegam relatos que traduzem o verdadeiro drama humano que se vive naquela região.

"Chuva aconteceu com ventania forte, não temos onde ficar, não temos de comer, dede anteontem até hoje; crianças, não têm de comer, nem roupa", testemunha uma mãe de filhos.

Outro testemunho de um homem é também desolador: "desde que eu nasci, nunca vi [tal tempestade]; nem aquela de 2000 foi desta forma".

O desespero leva a que muitas pessoas desafiem a força da água e atravessem os rios a procura de lugares mais seguros.

Muitos percorrem mais de 20 quilómetros a pé. Muitas são as pessoas que ainda precisam de ser resgatadas, refugiam-se em cima das casas ou em árvores.

A ajuda alimentar é urgente, assim como a assistência médica.

De Maputo, o nosso correspondente, Orfeu Lisboa.

Orfeu Lisboa, correspondente em Maputo  19/03/2019 ouvir

Os próximos dois dias vão ser críticos para Moçambique. Existe um elevado risco de inundações nas provincias de Inhambane ou Gaza aponta o porta-voz do Instituto Nacional de Gestão de Calamidades de Moçambique, Paulo Tomás.

Porta-voz INGC, Paulo Tomas 19/03/2019 ouvir