rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

Governo Política São Tomé e Príncipe África Lusófona MLSTP-PSD ADI Evaristo Carvalho

Publicado a • Modificado a

STP: PR fala pela 1ª vez desde eleições

media
O presidente são-tomense, Evaristo Carvalho. Liliana Henriques / RFI

O Presidente de São Tomé e Príncipe, Evaristo Carvalho, afirmou nesta quarta-feira, 31 de Outubro, que "não vai ceder", fazendo referência às pressões da oposição que quer que o Presidente chame os partidos para formar governo.


Há cerca de duas semanas, o MLSTP-PSD, líder da oposição, e a coligação PCD-MDFM-UDD apelaramEvaristo Carvalho a queimar etapas e chamar as formações políticas, que podem garantir uma maioria absoluta, para formar governo. O Presidente afirmou que não vai ceder a esses pedidos.

"A nossa democracia segue o seu ritmo e jamais quebrarei esta tradição democrática e constitucional da nossa vivência política. Cumprirei escrupulosamente os preceitos constitucionais em vigor", afirmou o Presidente da República.

Recorde-se que o MLSTP-PSD obteve 23 dos 55 mandatos nas eleições de 7 de Outubro, enquanto a coligação PCD-MDFM-UDD obteve cinco assentos parlamentares. Os dois assinaram um acordo, que lhes dá uma maioria absoluta de 28 deputados.

Isto enquanto o partido no poder, ADI, liderado pelo Primeiro-ministro, Patrice Trovoada, venceu as eleições legislativas com maioria simples, conquistando 25 lugares no parlamento, os restantes dois assentos parlamentares tendo recaido sobre candidatos independentes em Caué, no sul da ilha de São Tomé.

A lei eleitoral são-tomense estabelece que 30 dias depois de proclamados os resultados definitivos pela Assembleia de Apuramento Geral no Tribunal Constitucional, os novos deputados tomam posse, e só depois o Presidente da República chama os partidos políticos para formar Governo, de acordo com os resultados eleitorais.

O Tribunal Constitucional são-tomense proclamou os resultados das eleições a 19 de Outubro.

Mais pormenores com o nosso correspondente, Maximino Carlos.

Correspondência de São Tomé 31/10/2018 ouvir