rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo
Convidado
rss itunes

Reino Unido: "Guerra civil sem armas"

Por Carina Branco

Ana Telma Rocha é a portuguesa que interrompeu um directo da Sky News numa reportagem que se tornou viral nas redes sociais e transformou-se na voz de muitos estrangeiros preocupados com o Brexit. Residente em Londres há 20 anos, Ana Telma Rocha descreve uma "guerra civil sem guerra e sem armas" e explica os medos dos imigrantes.

Os deputados britânicos que se opõem a um 'Brexit' sem acordo iniciaram, esta terça-feira, um braço-de-ferro com o primeiro-ministro, Boris Johnson, no Parlamento. O chefe de Governo anunciou, na semana passada, a suspensão dos trabalhos parlamentares entre a segunda semana de Setembro e 14 de Outubro, encostando à parede os opositores de um “no deal” que se viram sem tempo para negociar um adiamento.

Entretanto,um grupo de deputados, incluindo conservadores, querem apresentar um projeto-de-lei para forçar o primeiro-ministro a pedir uma extensão do processo do ‘Brexit', algo que Boris Johnson se recusa a fazer.

Nesta batalha parlamentar, o primeiro-ministro já teve uma baixa e perdeu a maioria com um deputado conservador a desertar para as fileiras dos democratas liberais.

Uma guerra denervos para os estrangeiros que vivem no Reino Unido e que ainda não concluíram os pedidos de residência permanente, como Ana Telma Rocha, a portuguesa que interrompeu um directo da Sky News, numa reportagem que se tornou viral nas redes sociais. A lisboeta que reside em Londres há 20 anos deu voz a muitos imigrantes preocupados com o 'Brexit' e, em conversa com a RFI, descreveu a actual situação política britânica como "uma guerra civil sem guerra e sem armas". 

Associação cabo-verdiana de França organiza jornada de inserção profissional

Moçambique: julgamento "dívida oculta" em simultâneo na África do Sul e EUA

António Francisco analisa o que está em jogo nas eleições moçambicanas

Moçambique: Frelimo diz que "falta de paz" foi entrave ao desenvolvimento

Moçambique: MDM denuncia “comando vertical” envolvido na violência