rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

Proibição Armas Assalto Nova Zelândia Primeiro-ministro Massacre Christchurch

Publicado a • Modificado a

Nova Zelândia proíbe venda de armas utilizadas no massacre em 2 mesquitas

media
PM da Nova Zelândia, Jacinda Ardern proíbe venda de armas que terrorista utilizou para massacre de 15 de março New Zealand Prime Minister's Office/Handout via REUTERS.

Nova Zelandia, a primeira-ministra neozelandesa, anunciou hoje a proíbiçao de armas semi-automáticas que serviram para o terrorista,  Brenton Barrant, assassinar, friamente, na passada sexta-feira, 50 fiéis muçulmanos de duas mesquitas da cidade Christchurch, no sul do país. Paralelamente, a polícia anunciou ter identificado todas as 50 vítimas do massacre levado a cabo pelo terrorista australiano.


A primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, anunciou hoje a proíbição de armas semi-automáticas e espingardas de assalto, numa altura que estavam a ser enterradas novas vítimas do terrorista supremacista branco que matou no dia 15 deste mês, 50 muçulmanos em duas mesquitas da cidade de Christchurch.

O terrorista australiano, Brenton Tarrant  filmou e transmitiu em directo no Facebook a carnificina dos 50 fiéis muçulmanos que rezavam nas duas mesquistas da pequena cidade do sul de Nova Zelândia.

A primeira-ministra, Jacinda Ardern, prometeu, imediatamente, apóa carnificina, um endurecimento da legislação que permitiu ao assassino comprar legalmente o arsenal de armas que lhe serviu para matar os muçulmanos das duas mesquitas.

Hoje, a primeira-ministra, veio reforçar que todas as armas semi-automáticas utilizadas no ataque terrorista de sexta-feira serão proíbidas.

É uma boa decisão, reagiu um dos fiéis, Kawthar Abulaban, de 54 anos, que conseguiu sair ileso do massacre, perguntando, porque é que devemos ter necessidade de tais armas nas nossas casas?

Enfim, a polícia neozelandesa declarou igualmente que foram identificadas todas as 50 vítimas mortais da carnificina o que vai permitir aliviar a frustração das famílias sabendo que nos costumes muçulmanos impõe-se que os mortos sejam enterrados rapidamente, geralmente, 24 horas depois do falecimento.  

Nova Zelândia proíbe venda de armas utilizadas no massacre em 2 mesquitas 21/03/2019 ouvir