rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

União Europeia Angela Merkel Alemanha NATO Exército europeu Donald Trump EUA China Rússia

Publicado a • Modificado a

Merkel defende exército europeu

media
Angela Merkel, chanceler alemã REUTERS/Vincent Kessler

A chanceler alemã defendeu a necessidade de a Europa começar a trabalhar num projecto de um "verdadeiro exército europeu” que possa garantir a defesa do Velho Continente. Angela Merkel vem assim apoiar a ideia defendida pelo presidente francês, Emmanuel Macron.


Diante do Parlamento de Estrasburgo, Angela Merkel defendeu a necessidade de a Europa começar a trabalhar num projecto de um "verdadeiro exército europeu" que garanta a defesa da Europa.

"Temos cooperação ao nível ao militar, e isso é muito bom, mas o que devemos fazer é trabalhar na visão de um dia criarmos um verdadeiro exército europeu", referiu Angela Merkel .

A chanceler alemã ressalvou que o exército europeu e a Nato poderão trabalhar juntos, salvaguardando que este projecto não é anti-Nato. “Este exército integraria a Aliança Atlântica como acontece com as forças militares dos Estados-membros”, acrescentou

Durante o discurso, Merkel propôs igualmente a criação de um “Conselho de Segurança Europeu” , com presidência rotativa, como um pilar que reforçaria a política externa da União Europeia.

Angela Merkel sustenta assim o projecto idealizado pelo Presidente francês. Emmanuel Macron que declarou, na semana passada, em entrevista a um canal de televisão francês a necessidade de um exército europeu para que o Velho Continente se possa proteger das ameaças da China, da Russia e até mesmo dos Estados Unidos.

As palavras de Macron provocaram a ira do Presidente Donald Trump que, de passagem por Paris para participar nas comemorações dos 100 anos do fim da 1°Guerra Mundial, considerou de “insultuosas” as declarações do homólogo francês.

Esta quarta-feira, as autoridades de Pequim afirmaram que a China não representa qualquer ameaça para a Europa.

"Nós nunca fomos uma ameaça para a Europa", afirmou o porta-voz da diplomacia chinesa, Hua Chunying.