rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

Imigrantes Estados Unidos Política Migrantes Honduras Guatemala El Salvador México emigrantes

Publicado a • Modificado a

Estados Unidos: Donald Trump tenta travar caravanas

media
Donald Trump, Presidente norte-americano. REUTERS/Joshua Roberts

Nos Estados Unidos, a aproximação das caravanas de migrantes provenientes da América central preocupa cada vez mais o Presidente norte-americano, Donald Trump, que já encontrou uma solução: enviar 15 000 militares.


Donald Trump quer travar a todo o custo a chegada das caravanas de migrantes aos Estados Unidos. Para esse efeito, o Presidente norte-americano admitiu que pode enviar entre 10 a 15 mil militares para a fronteira entre o México e os Estados Unidos.

As caravanas encontram-se ainda a cerca de 1 600 quilómetros da fronteira, mas já conseguiram forçar a entrada no México. A pobreza e a violência no chamado Triângulo do Norte centro-americano (Salvador, Honduras e Guatemala), levou à fuga de famílias inteiras e, em muitos casos, crianças que fazem esta viagem perigosa sem os pais em direcção aos Estados Unidos.

Recorde-se que a 13 de Outubro, uma caravana de migrantes saiu das Honduras. Segundo a ONU, a caravana chegou a ter 7 000 migrantes, mas, na passada segunda-feira, as autoridades norte-americanas estimaram que era composta por 3 500 pessoas que, atualmente, avançam pelo estado de Oaxaca, no sul do México. Um segundo grupo de migrantes, composto por cerca de 2 000 indivíduos, avança por Chiapas, o estado mexicano que faz fronteira com a Guatemala.

A essas duas caravanas somam-se uma marcha de salvadorenhos que saiu de seu país no passado domingo, e outros dois grupos de cerca de 2 000 pessoas que partiram nesta quarta-feira de San Salvador.

De notar que actualmente há 2 100 guardas nacionais norte-americanos a ajudar no controlo da fronteira, aos quais vão juntar-se 5 200 tropas. Com as declarações de Donald Trump, este número poderá subir rapidamente para os 10 ou 15 mil homens.

Donald Trump colocou a imigração no centro da campanha eleitoral, para voltar a captar o seu eleitorado antes do escrutínio de 6 de Novembro.