rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

Política Jamal Khashoggi Arábia Saudita Turquia Assassínio Morte Consulado Oposição Jornalistas

Publicado a • Modificado a

Arábia Saudita confirmou morte de Khashoggi no consulado

media
Imagem que mostra Jamal Khashoggi a entrar no consulado da Arábia Saudita em Istambul a 2 de Outubro de 2018. Demiroren News Agency / AFP

A Arábia Saudita confirmou oficialmente, na noite de sexta-feira, a morte do jornalista Jamal Khashoggi no consulado em Istambul, na Turquia, ele que foi dado como desaparecido a 2 de Outubro.


A agência oficial de notícias saudita, SPA, citando conclusões das investigações preliminares realizadas, afirma que houve uma luta física entre Jamal Khashoggi e pessoas que o receberam no interior do consulado em Istambul. Luta que levou à morte do jornalista. Recorde-se que o crítico do regime tinha ido buscar um documento necessário para se casar.

Dezoito cidadãos sauditas foram detidos no âmbito do caso. Ahmad al-Assiri, vice-chefe dos serviços secretos, e Saud al-Qahtani, conselheiro do príncipe Mohammed bin Salman, foram demitidos. A mesma agência de notícias anunciou ainda que o rei saudita Salman quer reestruturar os serviços de inteligência do reino.

De notar que até agora as autoridades sauditas sempre desmentiram as acusações e sempre afirmaram que o jornalista saiu com vida das instalações consulares.

Trump acredita nas explicações de Riade

O Presidente norte-americano, Donald Trump, considerou credíveis as explicações da Arábia Suadita sobre a morte de Jamal Khashoggi, mas admitiu também que as investigações ainda não acabaram.

«Ainda é cedo, não terminamos a nossa avaliação ou investigação, mas acho que é um passo muito importante», acrescentou o Presidente dos Estados Unidos.

«Estamos tristes por saber que a morte de Khashoggi foi confirmada», afirmou também Sarah Sanders, porta-voz da administração norte-americana, acrescentando que «a investigação sobre o destino de Jamal Khashoggi está a avançar» e que medidas foram tomadas «contra os suspeitos que foram identificados até ao momento», concluiu.

Recorde-se que Jamal Khashoggi, jornalista de 60 anos, entrou no consulado da Arábia Saudita em Istambul para obter um documento para casar com uma cidadã turca.