rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

jornalista Desaparecimento Assassínio Arábia Saudita Istambul Donald Trump União Europeia

Publicado a • Modificado a

Riade em maus lençóis sobre assassínio de jornalista

media
Secretário americano de estado, Mike Pompeo em Riade com o seu homólogo Adel al-Jubeir. Reuters

A Arábia saudita está cada vez mais isolada no caso do mais que provável assassínio em Istambul, do jornalista saudita, Jamal Khashoggi. O presidente americano Trump, após prometer punir Riade, enviou o seu chefe da diplomacia a Riade, isolada pela comunidade internacional.


As autoridades de Riade pressionadas de todos os lados por causa do provável assassínio do jornalista, Jamal Khashoggi, poderiam vir a reconhecer que esse antigo director de um jornal saudita e dissidente foi mesmo assassinado quando estava a ser torturado no consulado saudita de Istambul

O homem forte da Arábia saudita, o príncipe Mohammed ben Salmane, poderá reconhecer esse crime, depois de ter falado ao telefone com o Presidente americano, Donald Trump, que no sábado prometeu punir severamente Riade, se vier a confirmar-se o assassínio do jornalista.

E ontem, o Chefe da Casa Branca, colocou mesmo a hipótese de o jornalista ter sido assassinado pelo que enviou a Riade o seu chefe da diplomacia. 

Mike Pompeo, está hoje na  Arábia saudita e amanhã na Turquia, onde decorre um inquérito sobre o assassínio de Jamal Khashoggi, assassínio, confirmado, pela secreta turca, ocorrido no consulado saudita de Istambul.  

Desde o desaparecimento do jornalista, de Nova Iorque, a Paris, passando por Londres, Washington ou Ancara, a Arábia saudita tem sido apontada com o dedo e várias organizações e mídias que deviam participar numa cimeira económica, em Riade, na próxima semana, já não estarão presentes.

Assim o Davos económico de Riade está a ser boicotado por multinacionais da tecnologia, como Google, Uber Virgin, grandes bancos mundiais e meios de comunicação como a CNN, Washington Post ou New York Times.

De Paris, empresas convidadas como Thalès, EDF e Bancos como Société Générale e BNP, ainda nao fizeram comentários sobre a sua participação ou não na conferência econónima de Riade, capital da Arábia saudita.

Arábia saudita em maus lençóis no assassínio do jornalista saudita 16/10/2018 ouvir