rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo
Convidado
rss itunes

Trump e as suas farpas no "Sun"

Por Liliana Henriques

Desde ontem o Presidente americano Donald Trump está no Reino Unido onde está a efectuar uma visita rica em declarações bombásticas. Em entrevista ao tablóide britânico "Sun" pertencente a Ruppert Murdoch, empresário de origem australiana que é também dono da Fox News, tida como a estação televisiva que contribuiu para a sua vitória em 2016, Trump distribuiu as "boas" e as "más" avaliações.

Ao criticar o "Soft Brexit" da Primeira-ministra britânica que prevê uma zona de comércio livre com a Uniao Europeia, um tratado que segundo ele poderia "provavelmente matar" a hipótese de um acordo de livre-comércio entre Washington e Londres, o Presidente americano disse que ele "explicou a Theresa May como deveria proceder mas ela não o escutou".

Sobre o "hard-brexiter" Boris Johnson que se demitiu esta semana do posto de chefe da diplomacia britânica precisamente por não concordar com o tipo de Brexit preconizado por May, o Presidente americano considerou que "ele daria um óptimo Primeiro-ministro". Quanto a Sadiq Khan, autarca de Londres de origem paquistanesa, Trump qualificou de "horrível" o trabalho que tem estado a fazer, responsabilizando-o nomeadamente pelos actos de terrorismo que flagelaram a capital britânica.

Num sentido mais lato, Trump também não se esqueceu de reafirmar a sua posição anti-imigração considerando que "autorizar a imigração na Europa é uma vergonha" e que "autorizar milhões e milhões de pessoas a virem para a Europa é muito, muito triste" devido -segundo ele- ao "risco da Europa perder a sua cultura".

Antes mesmo de chegar ao Reino Unido, milhares de opositores já se tinham preparado para lhe dar a conhecer o seu descontentamento por ele se encontrar em terras da sua Majestade. Com estas declarações, no microcosmo político britânico, tanto os trabalhistas como várias vozes entre os conservadores não se coibiram em manifestar o seu desagrado.

Mas como tem sido o seu hábito, o Presidente americano já veio qualificar de "fake news" a transcrição da entrevista que concedeu ao "Sun" e já em conferência de imprensa conjunta com a Primeira-ministra britânica desmentiu ter criticado Theresa May e declarou-se disponível para negociar um acordo comercial com o Reino Unido, a seguir à concretização do Brexit, sem se esquecer de louvar a “relação especial” entre o seu país e o Reino Unido.

Ao dar conta do contexto em que esta visita tem decorrido, numa Grã-Bretanha dividida, Helder Macedo, professor universitário no King's Colledge de Londres, considera que as declarações de Trump podem reforçar o campo dos mais extremistas.