rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

Comunidade Internacional Eleição presidencial Fraude Venezuela Nicolás Maduro Vitória

Publicado a • Modificado a

Vitória de Maduro nas presidenciais de Venezuela

media
Presidente reeleito da Venezuela, Nicolás Maduro, comemorando vitória ontem à noite em frente ao Palácio de Miraflores em Caracas. REUTERS / Carlos Garcia Rawlins

-O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, que se candidatava, este domingo, para a sua reeleição, ganhou as eleições presidenciais com cerca de 68% dos votos, frente ao seu principal adversário, Henri Falcon, que, com 21,2%, denuncou fraudes e reclama uma nova eleição, antes do fim deste ano. Também a comunidade internacionais denunciou irregularidades.


Nicolás Maduro, foi reeleito, este domingo, 20, nas eleições presidenciais, na Venezuela, com cerca de 68% por cento dos votos, o que representa à volta de 5,8 milhões de venezuelanos.

O seu principal adversário, Henri Falcon, que ficou pelos 21,2% dos votos, denunciou imediatamente uma vitória "ilegítima", já que houve fraudes eleitorais e como tal reclama uma nova eleição ainda antes do fim do ano.

Estas presidenciais venezuelanas, ficaram igualmente marcadas por uma forte taxa de abstenção, que rondou a casa dos 54%. Nas precedentes eleições, houve uma taxa de abstenção de apenas 20%.   

E mesmo assim a oposição afirma que a taxa de participação, cerca de 46% foi exagerada, considerando que menos de 30% dos venezuelanos foram às urnas.

A maioria da oposição tinha apelado ao boicote destas eleições que apenas serviriam para a "coroação" de um ditador.

"Eles me subestimaram", declarou, ontem à noite, Maduro aos seus apoiantes e simpatizantes frente ao palácio presidencial, no centro da capital, festejando a vitória com um grande fogo de artifício.

" A revolução está aqui para durar", declarou à multidão o presidente reeleito, que garantiu que a sua prioridade vai para a recuperação da economia após 5 anos de recessão.

"Força Nico", gritaram os seus apoiantes noite adentro pelas ruas de Caracas!

Oposição e Ocidente condenam, mundo comunista apoia 

O único candidato sério da oposição, Henri Falcon, declarou que não reconhece os resultados destas eleições manchadas por irregularidades e fraudes. Assim, o antigo governador de Lara, exigiu novas eleições.

Um terceiro candidato a estas presidenciais na Venezuela, o pastor evangélico, Javier Bertucci, reclamou igualmente um novo escrutínio presidencial.

Ao todo, concorriam para estas eleições na Venezuela, 4 candidatos, que partiram em desvantagem, já que todas as sondagens davam Maduro a ganhar, apesar duma grave crise económica no país.

A nível, internacional, a vitória de Maduro, corre, igualmente, o risco de ser contestada.

Nos Estados Unidos, o senador republicano americano, Marco Rubio, apelou a um isolamento do governo do presidente Nicolas Maduro e mostrou-se aberto a "todas as possibilidades" para levar a democracia à Venezuela.

Recorda-se que no passado o presidente americano, Donald Trump, chegou a ameaçar intervir militarmente na Venezuela para tirar do poder o tirano Maduro e ajudar o povo venezuelano a viver numa verdadeira democracia.

Por cá na Europa, a União europeia, declarou várias vezes que as condições não estavam reunidas para a organização destas eleições na Venezuela.

Mesmo, na região das Américas, países vizinhos como Chile, contestaram a organização das eleições venezuelanas.

O Presidente chileno, Sebastian Piñera, declarou ontem que "as eleições de ontem na Venezuela não correspondiam a normas mínimas da democracia" e sublinhou, que "como a maioria das grandes democracias, o Chile, não reconhecia essas eleições." 

Também, o governo do Panamá, reagiu, anunciando não reconhecer os resultados das presidenciais venezuelanas.

Apenas países ideologicamente amigos de Maduro, como Cuba e Salvador, reconheceram a sua vitória felicitando o vencedor.

Enfim, em Pequim, o porta-voz do ministério dos Negócios estrangeiros, Lu Kang, declarou que para a China, o governo e o povo venezuelanos estavam à altura de gerir os seus próprios interesses e que todos deviam respeitar a escolha do povo venezuelano.

Vitória de Maduro na Venezuela contestada 21/05/2018 ouvir