rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

Governo Itália Eleições Coligação

Publicado a • Modificado a

Itália : Anunciado 'Contrato de Governo da Mudança'

media
Luigi Di Maio, líder do Movimento 5 Estrelas durante uma conferência de imprensa, a 13 de Maio de 2018 REUTERS/Tony Gentil/File Photo

Na Itália, o partido populista 'Liga' e o partido anti-sistema '5 Estrelas anunciaram hoje ter conseguido um Contrato de Governo da Mudança, baseado no euro-cepticismo, anti-imigração e reforço da segurança. Luigi di Maio, do 5 Estrelas, e Matteo Salvini, da Liga, estão prontos a formar Governo. 


O partido populista 'Liga', e o partido anti - sistema 'Movimento 5 Estrelas' declararam, na passada Quarta feira, estarem perto de chegar a um acordo para formar governo, o que preocupou desde logo os dirigentes da União Europeia.

Mas as divergiências que existiam - ainda há dois dias - entre os dois partidos, foram aplanadas, e o acordo é coisa feita.

O anúncio do "Contrato de Governo de Maudança" teve o efeito duma bomba, esta Sexta - feira, fez tremer os mercados, e deixou os dirignetes europeus extremamente preocupados.

Sair do euro; negociar novamente os tratados europeus, cancelar 250 biliões de euros da dívida com o Banco Central Europeu (BCE); dar prioridade às expulsões de imigrantes em situação irregular, e acabar com o "negócio dos migrantes"; recuo progressivo da idade da reforma -que deverá passar para 67 anos, como em França.

A revisão do conceito de "legítima defesa", que permite a um particular alvejar  alguém que penetre na sua residência sem autorização; redução drástica do número de parlamentares - de 630 para 400 - e apenas 200 senadores - em vez  318 - são também temas polémicos presentes nes Contrato de Governo de Mudança. , reforçar  são ideias dos dois partidos anti -sistema que têm provocado procupação nas autoridades europeias.

O programa será submetido aos militanters de ambos os partidos, neste fim-de-semana, e muito provávelmente a Itália terá um novo governo na próxima semana, 11 semanas depois das eleições legislativas de 4 de Março, nas quais nenhum partido tinha obtido a maioria absoluta.