rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

Líbano Médio Oriente Síria Irão Iraque Israel Eleições

Publicado a • Modificado a

Líbano : Hezbollah celebra vitória

media
Eleições legislativas no Líbano. 6 de Maio de 2018. Joseph EID / AFP

O movimento xiita  Hezbollah reclamou, esta segunda-feira, uma "grande vitória" nas eleições legislativas. Já o primeiro-ministro sunita, Saad Hariri, anunciou que o seu movimento perdeu um terço dos assentos parlamentares.


Num discurso transmitido pela televisão, Hassan Nasrallah, líder do movimento xiita  Hezbollah, deu o mote para as celebrações. 

"Há uma grande vitória moral e política pela escolha da resistência", declarou Nasrallah, sem divulgar  o número de assentos parlamentares que teriam sido obtidos pelo seu partido e pelos seus aliados.

De acordo com resultados preliminares anunciados pelos políticos e pela imprensa,  o Hezbollah xiita, apoiado pelo Irão, e os seus aliados teriam ganhado um pouco mais de metade dos assentos parlamentares.

Considerado como um grupo terrorista pelos Estados Unidos, o Hezbollah sai reforçado após a participação na guerra na Síria em apoio ao presidente Bashar al Assad e confirma a influência de Teerão na região da Síria-Iraque-Líbano.

O primeiro-ministro, Saad Hariri, revelou que a Corrente do Futuro perdeu um terço dos deputados. O partido tinha até agora o maior grupo parlamentar e teria passado de 33 para 21 assentos parlamentares (num total de 128).

Apesar da derrota, o dirigente sunita Saad Hariri, apoiado pela Arábia Saudita, deverá manter-se na chefia do governo.

Cerca de 3,6 milhões de eleitores foram chamados a votar nas eleições de domingo, as primeiras desde 2009, mas foi registada uma taxa de participação muito baixa : 49,2% dos eleitores foram votar num país onde a corrupção e o nepotismo mancham a classe política.

A legislação aprovada em 2017 reduziu o número de circunscrições e introduziu o escrutínio proporcional. O parlamento conta com 128 lugares, distribuídos em igual número entre cristãos e muçulmanos.

Os resultados oficiais ainda não foram anunciados.