rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

Ciência Inglaterra Stephen Hawking Nobel Física Buracos Negros Big Bang

Publicado a • Modificado a

Morreu Stephen Hawking

media
Stephen Hawking em Londres em Fevereiro de 2015. AFP PHOTO / JUSTIN TALLIS

Stephen William Hawking, um dos mais brilhantes astrofísicos que passou pelo planeta Terra, morreu aos 76 anos. O conceituado físico desafiou a própria ciência ao sobreviver durante mais de cinquenta anos a uma doença neuro-degenerativa.


Stephen Hawking era um dos nomes mais prestigiados da ciência. Diagnosticado com esclerose lateral amiotrófica aos 21 anos, a doença provocou-lhe uma progressiva paralisia quase total. Somada a uma pneumonia, ficou sem fala e acabou dependente de um simulador de voz para comunicar.

Tinha uma mente brilhante que sempre colocou ao serviço da ciência. Fica conhecido pelo estudo dos buracos negros, origem do universo e as novas perspectivas sobre o tempo.

Em declarações à agência de notícias Lusa, o físico português Carlos Fiolhais reconheceu o trabalho de um dos grandes cientistas do nosso tempo.

"Stephen Hawking é um dos grandes cientistas do nosso tempo. É alguém que ousou enfrentar grandes mistérios. O mistério do início do mundo: a teoria do Big-Bang, propôs teorias novas sobre o Big-Bang. Trabalhou nos buracos negros que são uma espécie de abismos do espaço e do tempo. Hoje sabemos que esses buracos negros existem. O prémio Nobel da Física do ano passado foi dado a três físicos que estiveram envolvidos numa das maiores descobertas que foi o choque dos buracos negros com a emissão de ondas gravitacionais, como tinha sido previsto por Einstein", referiu.

Carlos Fiolhais admite que o facto de Stephen Hawking nunca ter conseguido comprovar que buracos negros emitiam radiação pode ter feito com que o cientista nunca tivesse recebido o prémio Nobel da Física com outros receberam.

Stephen William Hawking morreu ontem no mesmo dia em que nasceu o cientista Albert Einstein.