rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo
Urgente
Croácia apurou-se para oitavos de final derrotando a Argentina por 3 a 0

Myanmar Rohingyas Amnistia Internacional Limpeza étnica Militares Budismo

Publicado a • Modificado a

"Intensificação da militarização do estado de Rakhine"

media
Amnistia Internacional denuncia a intensificação da militarização do estado de Rakhine. REUTERS/Andrew RC Marshall

A Amnistia Internacional acusa as forças de Myanmar de estarem a destruir a região de Rakhine, incendiando vilas e aldeias habitadas pelas comunidades rohingya, forçando-as a fugirem para escaparem da limpeza étnica.


As acusações constam no último relatório da Amnistia Internacional "Myanmar: Militares ganham terreno à medida que as forças de segurança criam bases nas aldeias Rohingya incendiadas",  através de testemunhos e imagens de satélite, a organização de direitos humanos documenta a intensificação da militarização do estado de Rakhine.

Ainda de acordo com a Amnistia Internacional as forças militares birmanesas estão a construir bases militares e outras estruturas, nas terras de onde os rohingya se viram forçados a fugir, dificultando assim o regresso a casa dos refugiados.

Myanmar, de maioria budista, não reconhece a cidadania aos rohingya, muçulmanos, e submete-os desde há décadas a todo o tipo de discriminações, incluindo restrições à liberdade de movimentos e ao acesso ao mercado de trabalho.

Desde de Agosto do ano passado que começou a perseguição dos rohingyas, na altura foi lançada uma operação militar do exército birmanês contra o movimento rebelde Exército de Salvação do Estado Rohingya devido a ataques da rebelião a postos militares e policiais. Actualmente cerca de 700 mil rohingyas estão refugiados no território do Bangladesh, onde vivem em condições desumanas