rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

Brasil Justiça Luiz Inácio Lula da Silva Condenação Candidatura Presidenciais Corrupção

Publicado a • Modificado a

Destino de Lula em suspenso

media
Apoiantes de Lula clamam a sua inocência no passado dia 11 de Fevereiro. REUTERS/Adriano Machado

Após a rejeição ontem de um novo recurso do antigo Presidente brasileiro Lula da Silva, um mês e meio depois de ter sido condenado em Tribunal de Recurso a 12 anos de prisão por corrupção, acumulam-se as dificuldades para uma eventual candidatura de Lula às presidenciais de Outubro.


Luís Inácio Lula da Silva é acusado de ter aceitado um luxuoso apartamento à beira-mar por parte de uma empresa de construção implicada no tentacular escândalo Petrobras. Apesar dos seus veementes desmentidos, os cinco juízes do Tribunal Superior de Justiça que estudavam o seu caso rejeitaram unanimemente o pedido de "habeas corpus" no intuito de lhe evitar a prisão antes de esgotar todos os recursos. Um dos seus advogados, Sepúlveda Pertence, considerou que "o tribunal perdeu a oportunidade de evoluir e voltar a dar à garantia constitucional da presunção de inocência o seu devido valor".

O Partido dos Trabalhadores continua a manter o seu apoio à candidatura de Lula às presidenciais de Outubro. Paralelamente, do lado dos seus adversários políticos, nomeadamente para o Nilson Leitão, deputado do PSDB, partido de Temer, a justiça está a fazer o seu trabalho: "Muitos foram presos por muito menos. Muitos foram presos mesmo antes de ser julgados. No caso do Lula, a justiça tem seguido os passos com muito cuidado e muita responsabilidade". Mais pormenores aqui.

Reacções à rejeição do recurso de Lula da Silva 07/03/2018 ouvir

Aos 72 anos, o futuro de Lula está por enquanto suspenso a mais um recurso apresentado desta vez junto do Tribunal de segunda instância de Porto Alegre, não havendo ainda data marcada para alguma decisão. Se for à prisão, não está claramente especificado se fica impedido de se candidatar às presidenciais, uma vez que esta decisão recai sobre a justiça eleitoral. A ser solicitada, só poderá pronunciar-se depois do fim do prazo para a apresentação oficial das candidaturas, em Julho.