rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo
Urgente
Croácia apurou-se para oitavos de final derrotando a Argentina por 3 a 0

Irão Manifestação Teerão Grupos de Apoio Oposição Juventude

Publicado a • Modificado a

Manifestações a favor e contra o poder no Irão

media
Manifestação de apoio ao regime do Irão, que tem sido contestado nas ruas desde 28 de dezembro Tasnim News Agency/Handout via REUTERS

Mais um dia de manifestações nas ruas de Teerão e outras cidades do Irão, pelo quarto dia consecutivo uma vez mais contra o movimento de contestação às autoridades no poder. Um movimento sem precedentes desde 2009 e que Teerão denuncia como sendo manipulado por potências estrangeiras.


Apoiantes do governo iraniano desceram às ruas das cidades do Irão, sobretudo na capital, Teerão, manifestando contra o movimento que contesta o poder, há vários dias, naquilo que é visto como o maior movimento de protesto desde 2009.

As autoridades de Teerão, que não anteciparam o movimento de protesto, para certos, espontâneo, denunciam potências estrangeiras, nomeadamente a Arábia saudita e os Estados Unidos.

Assim, certos analistas, consideram que o poder em Teerão, reagiu, colocando também nas ruas os seus apoiantes para manifestarem contra o movimento de protesto.

Imagens de cadeias da televisão pública, mostrarm manifestantes empunhando bandeirolas com slogans, "Morte à América", "Morte ao Israel" e "Morte ao Reino Unido".

Certos observadores dizem que os apoiantes do regime de Teerão são enquadrados pelos famosos guardiães da revolução, que aliás, prenderam várias pessoas do movimento de contestação.

Um movimento iniciado a 28 de dezembro e que já provocou 22 mortos. Na origem desse movimento o anúncio feito pelo governo de aumentar os preços dos combustíveis e cortar nas ajudas aos mais pobres em 80 cidades do país.

A nível internacional, os membros do conselho de segurança da ONU, reunidos ontem, a pedido dos Estados Unidos, declararam que compete aos iranianos resolver esse "problema interno".

O embaixador da França na ONU, François Delattre, disse mesmo que não há razões para analisar a situação iraniana no conselho de segurança.

"Compete aos iranianos organizar um diálogo pacífico com base no respeito dos direitos e das liberdades fundamentais do povo iraniano, declarou o embaixador francês.

"Mesmo se a situação é preocupante, as evoluções dos últimos dias não constituem uma ameaça para a paz e a segurança internacionais", sublinhou o embaixador da França na ONU, François Delllatre.

Os Estados Unidos, pelo contrário, têm denunciado o regime autoritário do Irão e apoiado o movimento de contestação.

Teerão coloca nas ruas apoiantes contra movimento de protesto 06/01/2018 ouvir