rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

França Irão Manifestação Hezbollah Emmanuel Macron

Publicado a • Modificado a

Irão:aumenta número de mortos nas manifestações

media
Imagem captada pela televisão pública do Irão (IRIB) no dia 01 de Janeiro de 2018,na qual manifestantes gritam slogans a favor das autoridades do Irão. Handout / AFP

O número de mortes eleva-se a 21 desde que tiveram início no Irão,as manifestações contra os dirigentes da República Islâmica.O guia supremo religioso , ayatollah Ali Khamenei acusou os inimigos do Irão, interna e externamente de estar na origem da situação actual.


Numa alocução transmitida pela televisão pública o líder religioso do Irão, Ali Khamenei afirmou que os inimigos do Irão estão a recorrer a todos meios a sua disposição , como dinheiro, armas, polícias, bem como serviços de segurança, para criar problemas ao regime islâmico.

Segundo a televisão pública iraniana ,após cinco dias de protestos, morreram entre segunda e terça-feira, seis manifestantes , durante um ataque à uma esquadra de polícia em Qahderijan, na província central de Isfahan.

Noutras três cidades na proximidade do pólo cultural de Isfahan, também ocorreu uma onda de violência durante a noite,que resultou nas mortes de um jovem membro da Guarda Revolucionária, de um polícia, assim como de um transeunte.

O número de mortos estimado, é de 21, desde que começaram os protestos em Mashhad, segunda cidade do país, donde se alastraram muito rápidamente à outras regiões do Irão.

De acordo com os analistas,a actual contestação representa o maior desafio para as autoridades islâmicas, desde as manifestações de 2009 .

 

A medida que a violência regista uma escalada, as autoridades de Teerão efectuam cada vez mais prisões, tendo sido detidas pelo menos 450 pessoas em Teerão e uma centena nas redondezas de Isfahan.

 

O secretário do Supremo Conselho Nacional de Segurança iraniano, Ali Shamkhani, qualificou a onda de protestos , de guerra por procuração contra o povo do Irão. Shamkhani acrescentou que a descrição dos eventos nas redes internet dos Estados Unidos, Grã-Bretanha e Arábia Saudita contribuem para fomentar mais protestos.