rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

França Esquerda Socialistas Presidenciais

Publicado a • Modificado a

Não há aliança entre Hamon e Mélenchon

media
O casamento Mélenchon-Hamon não aconteceu AFP

Foi confirmado ontem à noite que os dois candidatos da esquerda, o socialista Benoît Hamon, e o de extrema-esquerda, Jean-Luc Mélenchon, afinal não vão unir esforços para uma candidatura única, ambos mantendo as suas respectivas candidaturas.


As negociações sem grande convicção entre Mélenchon e Hamon tinham começado em finais de Janeiro logo depois deste último ter vencido nas primárias da esquerda. Mas sem surpresas também, Mélenchon tinha dado a entender na Sexta-feira que cada um continuava na corrida, o que Benoît Hamon acabou por confirmar ontem. Não há candidatura única da esquerda.

O antigo Ministro da Educação conseguiu entretanto recolher o apoio dos ecologistas, o seu candidato Yannick Jadot, tendo retirado a sua candidatura em virtude de um acordo com Hamon. Creditado doravante com 15% das intenções de voto, Benoît Hamon confirma o seu avanço nas sondagens comparativamente com Jean-Luc Mélenchon, com apenas 11%, mas está longe do candidato sem etiqueta política mas apoiando por tenores do centro e até dos socialistas, Emmanuel Macron.

Benoît Hamon que terá estabelecido um pacto de não-agressão com Mélenchon, diz não se querer enganar de adversário. Daí que não poupa tudo o que fica à sua direita, nomeadamente o antigo Ministro da Economia do governo de Hollande... Para Hamon, "Emmanuel Macron não propõe nada mais do que o programa de Fillon, a diferença estando no sorriso". Só que o candidato socialista não está a ser propriamente ajudado. Quando Hamon diz pretender obter uma moratória sobre o limite de 3% de défice orçamental fixado a nível europeu, o também socialista Ministro da Economia Michel Sapin critica essa proposta, dizendo que Hamon "não tem razão neste ponto".

Enquanto isso, Emmanuel Macron que continua a somar apoios de diversos quadrantes, está nas 24% de intenções de voto na primeira volta e é tido como possível vencedor em caso de frente a frente com Marine le Pen na segunda volta, com 62% de intenções de voto contra 38% para a candidata da extrema-direita.