rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

Tratamento União Europeia Holanda/Países Baixos

Publicado a • Modificado a

Tratado de Maastricht 25 anos depois

media
Cidade de Maastricht. com a ponte sobre o Rio Mosela. (Photo : Benutzer Mussklprozz/Wikipedia)

Há 25 anos erra assinado o Tratado de Maastricht, na cidade do ,mesmo nome situada no sul da Holanda e próxima da fronteira com a Bélgica e a Alemanha.O Tratado Maastricht lançava as bases do é que actualme nte a União Europeia, nomeadamente com a polémica regra que estabelece os 3% como déficit orçamental público anual ,para cada Estado membro do bloco europeu.Posteriormente objecto de contestação em vários países, o projecto definido em Maastricht tornou-se o fundamento da União Europeia,designadamente em termos de trocas comerciais e do funcionamento da moeda única, o euro.


  

No dia 7 de Fevereiro de 1992, na sede do governo provincial sita nas margens do rio Mosela, 12 Estados membros assinaram o Tratado de Maastricht . O projecto espelhava as novas ambições , bem como os principais fundamentos do que viria a tornar-se a União Europeia.No Tratado de Maastricht está estipulado, que nenhum Estado membro do bloco europeu deve ultrapassar anualmente um déficit equivalente à 3% do seu produto interno bruto. Hoje em dia contestada por vários países da União, a polémica regra, que para os seus detractores é a causa da estagnação das economias europeias, transformou-se no pilar da existência da zona euro.

 Vinte e cinco anos depois, a Europa passou por crises como a do euro e a da Grécia, bem como pela migratória. Considerado pelos seus adversários e os partidários da soberania dos Estados membros,como a mãe dos males que afectam as economias de vários países da União Europeia, o Tratado de Maastricht deixou de ser um sonho para os europeus.

 O eurocepticismo, tornou-se uma realidade, confirmada designadamente pelo voto à favor do Brexit do Reino Unido, no dia 23 de Junho de 2016. Alguns europeus sublinham que em vez de um sonho, vive-se actualmente em pleno pesadelo. Segundo Sophie Vanhooacker, especialista das questões europeias na Universidade de Maastricht, imprimir uma outra orientação à União Europeia , hoje em dia é muito mais difícil, devido à sua quantidade de membros e às divisões existentes no seio do bloco.