rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

Dilma Rousseff Brasil Presidente

Publicado a • Modificado a

Dilma Rousseff destituída da presidência do Brasil

media
Dilma Rousseff face aos senadores. 29 de Agosto de 2016. Reuters

Dilma Rousseff foi afastada da presidência do Brasil. O Senado brasileiro votou a destituição da presidente com mandato suspenso esta quarta-feira. Michel Temer, o presidente interino, assume o cargo até às eleições presidenciais de 2018.


Dilma Rousseff foi destituída da presidência pelo Senado brasileiro com 61 votos a favor e 20 contra.

Ouça aqui o anúncio da votação pelo presidente do Supremo Tribunal Federal :

Ricardo Lewandowski, Presidente do Supremo Tribunal Federal 31/08/2016 ouvir

Michel Temer, o presidente interino, assume o cargo até às eleições presidenciais de 2018. Temer presta juramento no Parlamento antes de viajar para a China para a cimeira do G20 deste fim-de-semana, a primeira em que participa como presidente "oficial" do Brasil.

Dilma Rousseff era acusada de ter manipulado as contas públicas para assegurar a reeleição de 2014 e de ter continuado com essa prática no ano seguinte. A primeira mulher presidente do Brasil foi suspensa em Maio num processo que chamou de "golpe".

Na segunda-feira, perante os senadores, a presidente disse que está a ser alvo de um "golpe parlamentar". A France Presse nota que mais de metade dos 81 senadores que julgaram Dilma Rousseff estão a ser investigados ou foram indiciados de corrupção.

Em 1992, Fernando Collor de Mello também foi alvo de destituição, um 'impeachment', apesar de, horas antes do julgamento final, ter renunciado ao cargo.
 

Aécio Neves, senador do PSDB, apelou à pacificação do país. Oiça aqui.

Aécio Neves, senador do PSDB 31/08/2016 ouvir

 A destituição de Dilma Rousseff foi aprovada com 61 votos a favor e 20 contra.

Numa segunda votação, a Câmara alta do parlamento brasileiro permite que Dilma não fique proibida de desempenhar cargos políticos durante oito anos.

A agora antiga presidente do Brasil ao reagir à votação no Senado alegou tratars-se de "uma inequívoca eleição indirecta, em que 61 senadores substituem a vontade expressa por 54,5 milhões de votos. É uma fraude, contra a qual ainda vamos recorrer em todas as instâncias possíveis", acrescentou Dilma Rousseff.

Este desfecho tem provocado buzinões tanto por parte dos adeptos da dirigente do Partido dos trabalhadores, como dos seus detractores.

Foi o seu antigo vice-presidente, Michel Temer, a herdar o seu cargo até às eleições de 2018.