rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

Iraque ofensiva militar Grupo Estado Islâmico Haider al-Abadi

Publicado a • Modificado a

Iraque:riscos de catástrofe humanitária em Falludja

media
Civis em Falludja. 19 de Junho 2016 REUTERS/Stringer

Com em pano de fundo os últimos combates entre as forças iraquianas,apoiadas pela coligação internacional, e os jiadistas do Daech, a cidade de Falludja, segundo a ONU, está perante uma catástrofe humanitária. A derrota anunciada do grupo Estado Islâmico, que controlava Falludja desde 2014, coincide com a fuga massiva da cidade iraquiana,de um total superior à 82.000 civis. As autoridades de Bagdag foram ultrapassadas pelo constante afluxo de civis, desde o início da ofensiva contra os jiadistas do Daech.


                                                                        

O Primeiro-Ministro, Haïder al- Abadi, proclamou na sexta-feira, a vitória das tropas iraquianas sobre o Daech em Falludja, mas os combates prosseguem para neutralizar os últimos focos de resistência. A cidade que era ocupada pelos jiadistas desde 2014, é considerada um ponto estratégico na luta que o governo iraquiano trava com a milícia Estado Islâmico, para desalojá-lo do território nacional .

 Segundo as Nações Unidas, as consequências humanitárias da ofensiva iraquiana resultaram num afluxo massivo de habitantes para as zonas sob administração do Estado iraquiano. A fuga de dezenas de milhares de civis de Falluja , completamente desprovidos de meios de subsistência, poderia transformar-se numa catástrofe humanitária. A coordenadora para as questões humanitárias da ONU no Iraque, Lise Grande declarou que os civis, que foram obrigados a abandonar Falludja; necessitam de tudo.

 Mais de 82.000 pessoas fugiram de Falludja desde que começou a ofensiva, mas não conseguiram chegar à capital Bagdag, situada à 60 kms. De acordo com observadores locais ,um sector importante da sociedade iraquiana considera Falludja um bastião irredutível do activismo sunita. Para o referido sector, todos os habitantes que permaneceram na cidade  após a sua ocupação em 2014, são tidos como simpatizantes do Daech.