rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

Airbus Voos Egipto

Publicado a • Modificado a

Milhares de turistas esperam avião em Sharm el - Sheikh

media
Turistas no aeroporto de Sharm el-Sheikh a 6 de Novembro de 2015 AFP

Após a multiplicação das declarações estimando ser provável a tese do atentado que causou a queda do Airbus A321 russo há seis dias, no Sinai, várias companhias aéreas - egípcias e de outros países - suspenderam voos, ou aumentaram as medidas de segurança, enquanto a França e a Bélgica desaconselharam a população a passar férias no Egipto.


Milhares de turistas britânicos e de outras nacionalidades chegaram hoje ao aeroporto egípcio de Sharm el Sheickh, tentando encontrar um avião que lhes permita voltar a casa.

Mas, seis dias após o acidente do Airbus A321 russo no Egipto, e das suspeitas de que o acidente tenha sido causado por um atentado, muitas companhias aéreas proibiram sacos e malas no compartimento de bagagens, enquanto a companhia civil egípcia suspendeu 21 voos do 29 previstos para o repatriamento dos Britânicos de Sharm el –Sheikh.

A Easy Jet, uma das companhias que deveria repatriar 20.000 veraneantes britânicos, afirmou que o Egipto tinha suspendido a aterragem de 8 dos seus 10 voos. Mas, apesar de toda esta agitação, a operação de repatriamento dos turistas britânicos do Egipto começou hoje, com a descolagem de dois aviôes de Sharm el-Sheikh.
 

Enquanto isto, o presidente egípcio, Abdel Fatah al-Sissi, está de visita a Londres, e o Primeiro - Ministro britânico, David Cameron, afirmou - em conferência de imprensa conjunta - que o Reino Unido e o Egipto estão empenhados em trabalhar em conjunto para garantir a segurança de todos os passageiros que devem regressar ao Reino Unido.

Adalberto Cravid, sociólogo são-tomense residente em Londres, afirmou à RFI que - apesar da manifestação contra a visita do Presidente egípcio - a cidade está calma.
 

 

Entrevista com Adalberto Cravid 06/11/2015 ouvir