rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

Hamas Israel Faixa de Gaza Fatah

Publicado a • Modificado a

Ataques israelenses matam quatro crianças em praia de Gaza

media
Ataques aéreos israelenses matam quatro crianças em praia de Gaza. REUTERS/Mohammed Salem

Dois morteiros israelenses atingiram um grupo de crianças na tarde desta quarta-feira (16), em uma praia de Gaza, diante dos olhos de vários jornalistas. Quatro menores, com idades entre 9 e 11 anos, todos primos, morreram. Pelo menos cinco outras crianças ficaram feridas.  Pelo menos 220 palestinos já morreram desde o início da operação "Limite Protetor", das forças israelenses, no dia 8 de julho. 


Os ataques aconteceram em um porto pesqueiro. Assustadas com as bombas, as crianças, várias ensanguentadas e queimadas, saíram em direção a um hotel perto da praia, onde jornalistas estão hospedados. Um responsável pelos serviços médicos de emergência em Gaza confirmou quatro mortes e quatro feridos à Agência France Presse.

Os corpos dos meninos foram entregues às famílias e encaminhados, em seguida, a uma mesquita da vizinhança. Depois, os meninos foram enterrados com bandeiras amarelas do Fatah, o movimento nacionalista do presidente Mahmoud Abbas. Questionado, o exército israelense não se manifestou.

Os ataques israelenses já fizeram 220 mortos entre os palestinos desde o início da operação "Limite Protetor", no dia 8 de julho, segundo os serviços palestinos de emergência médica. A maioria das vítimas são civis, incluindo dezenas de mulheres e crianças, de acordo com a ONU e ONGs humanitárias.

Paralelamente, grupos armados de Gaza já lançaram cerca de 1.200 foguetes contra Israel, matando um civil.

Protesto em Paris

Centenas de pessoas se reuniram no final da tarde na praça dos Inválidos, em Paris, para protestar contra a violência em Gaza. A manifestação foi organizada pelo Coletivo nacional por uma paz justa e durável entre palestinos e israelenses.

A iniciativa teve apoio do sindicato CGT, do partido Frente de Esquerda e dos ecologistas. Os manifestantes denunciaram a “passividade” dos governos, enquanto os bombardeios contra Gaza aumentam em intensidade.