rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

Voos Companhia Tráfego aéreo Moçambique África Lusófona Maputo Lisboa Portugal TAP

Publicado a • Modificado a

Moçambique: LAM quer retomar voos diários para Portugal

media
Linhas Aéreas de Moçambique. Miguel Martins/RFI

João Carlos Pó Jorge, director-geral da LAM - Linhas Aéreas de Moçambique - afirmou em Lisboa que está a tentar negociar com a TAP, transportadora aérea portuguesa, uma parceria para voos diários para Moçambique.


As Linhas Aéreas de Moçambique (LAM) vão voltar a efectuar voos directos para a Europa, via Lisboa, a partir de 31 de Março de 2020. Recorde-se que a LAM não efectuava voos directos desde 2011.

Os voos serão efectuados através de uma aeronave Airbus A340-300, com 260 lugares, em cooperação com a companhia aérea privada portuguesa Hi Fly. A ligação vai permitir três voos por semana. O trajecto Maputo-Lisboa será realizado nas quartas, sextas e domingos, enquanto os voos Lisboa-Maputo serão nas terças, quintas e sábados. Esta cooperação tem uma duração experimental de seis meses.

Para João Carlos Pó Jorge, “a diáspora moçambicana foi na verdade quem fez muita pressão para que este voo acontecesse. E compreende-se, porque estavam a voar para Maputo via outros destinos, e obviamente que o voo directo é melhor", afirmou o director-geral da LAM.

Para João Carlos Pó Jorge o tráfego de passageiros entre Portugal e Moçambique só pode crescer: "está a haver muito tráfego, que vai para outras rotas” e o “corporate a começar a intensificar-se muito, por causa dos projectos grandes do petróleo e do gás, em que a portuguesa Galp é uma das empresas presente, e também por causa de algumas indústrias de transformação”.

Actualmente a rota Maputo-Lisboa, como origem ou como destino, tem cerca de 40 mil passageiros, partilhados entre a TAP e outras companhias. É nesse âmbito que João Carlos Pó Jorge quer criar uma parceria com a TAP: "Queremos, se possível, fazer uma parceria com a TAP para servir um voo directo quase que diário, com alternativas, de forma a que cada pessoa possa ir num dia e vir no outro, ou daí por dois dias, e não ter de esperar dois três dias para que aconteça outro voo", afirmou João Carlos Pó Jorge, em declarações à Lusa.

Ouça as declarações de João Carlos Pó Jorge, director-geral da LAM.

João Carlos Pó Jorge, director-geral da LAM 08/10/2019 ouvir