rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

Incêndio África do Sul Moçambique Xenofobia Violências Bloqueio Mortes Desemprego Pobreza

Publicado a • Modificado a

Reacção em Moçambique contra xenofobia na África do Sul

media
Tumultos ocorreram esta manhã na Estrada Nacional 4 que liga Maputo e Matola à África do Sul. DR

Camiões oriundos da África do sul foram alvo de tentativas de bloqueio na estrada nacional número 4 que liga Maputo à África do Sul através da fronteira de Ressano Garcia, em retaliação aos ataques xenófobos que se têm registado nos últimos 4 dias na vizinha África do Sul com o registo de cinco mortos, perto de trezentas detenções, lojas e veículos suspeitos de pertencerem a estrangeiros queimados e o relato de um camião moçambicano incendiado.


Esta manhã, quem circulava na estrada nacional número 4, presenciou tumultos em retaliação aos ataques xenófobos que desde Domingo têm abalado Joanesburgo e outras localidades da África do Sul. Nas primeiras horas do dia, indivíduos colocaram barricadas e queimaram pneus no meio da EN 4 designadamente na zona da Matola, nas imediações da capital, e condicionaram a circulação ao tentar bloquear a chegada de camiões com matrículas sul-africanas. Depois da intervenção da polícia, foi posto fim ao bloqueio sem registo de detenções.

Reagindo a esta ocorrência, a Confederação das Associações Económicas de Moçambique CTA apelou à calma e condenou estes actos de violência. Castigo Nhamane, vice-presidente da CTA, não deixou contudo de referir que os ataques contra cidadãos estrangeiros na África do Sul forçaram 300 camiões de transportadoras moçambicanas a suspender as suas actividades desde 29 de Agosto, com prejuízos estimados numa média de 1 milhão de Dólares por dia para os transportes de mercadorias e 3 milhões para os transportes de passageiros. Mais pormenores com Orfeu Lisboa.

Orfeu Lisboa, correspondente da RFI em Maputo 04/09/2019 ouvir

Refira-se entretanto que na vizinha África do Sul, as autoridades dão conta de um regresso a uma calma precária sob alta vigilância policial. Depois de já ter condenado ontem as violências, o Presidente Cyril Ramaphosa voltou hoje a apelar à calma, declarando que "todos são bem-vindos na África do Sul". Primeira potência industrial do continente, a África do Sul tem vivenciado episódios recorrentes de violência xenófoba, num contexto de altas taxas de desemprego e pobreza. Em 2015, sete pessoas foram mortas, entre as quais 3 moçambicanos, durante as pilhagens de comércios pertencentes a estrangeiros em Joanesburgo e Durban. De acordo com um relatório da Human Rights Watch publicado no fim do mês passado, desde Março de 2018, dezenas de camionistas morreram em ataques visando estrangeiros na África do Sul.