rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo
Convidado
rss itunes

Moçambique: um acordo com pontos de interrogação

Por Liliana Henriques

O Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, e o líder da Renamo, Ossufo Momade, rubricaram hoje na Gorongosa, no centro de Moçambique, o acordo de cessação das hostilidades.

Com a assinatura deste compromisso “a incerteza quanto ao futuro de Moçambique deu lugar à esperança de paz, reconciliação nacional e desenvolvimento social e económico”, considerou o chefe de Estado moçambicano, enquanto do outro lado do xadrez político, também esperançado, o líder a Renamo declarou pretender "garantir ao povo e ao mundo que se enterrou a lógica da violência como forma de resolução das diferenças".

Rubricado numa altura em que o país está com as eleições gerais de 15 de Outubro à porta, este compromisso foi antecedido pela adopção na Segunda-feira pelo parlamento da lei de amnistia aos autores -tanto de um lado como do outro- das violências ocorridas durante a crise político-militar que subsistiu ainda após o anterior acordo de paz assinado em 2014. A acompanhar este dispositivo, também foi encetado no começo da semana o processo de entrega das armas pelos guerrilheiros da Renamo.

Para além disso, pouco mais se sabe sobre o que foi de facto assinado hoje e sobre os outros compromissos a serem assumidos nos próximos dias. Fica em suspenso a reivindicação de se integrarem homens da Renamo no Serviço de Informações e Segurança do Estado. Também continua por definir a eventualidade do principal partido de oposição chegar a um entendimento interno, com militares a rejeitarem a liderança de Ossufo Momade e inclusivamente ameaçarem o próprio processo de paz.

Ontem, poucas horas depois de ser anunciada a assinatura hoje do acordo de cessação das hostilidades, homens armados atacaram dois veículos na zona onde outrora ocorriam os confrontos entre as forças de defesa e segurança e os militares da Renamo, na província de Sofala. A origem do sucedido está a ser averiguada e por enquanto apenas existem suposições, como não deixa de sublinhar Fernando Lima, director do grupo de comunicação moçambicano Mediacoop, que esteve hoje na Gorongosa.

João Mosca "é ridículo" alegar Credibilidade do Estado na reestruturação da dívida

AI: empresas que vendem armas cúmplices das violações de direitos humanos

Insegurança alimentar entre as principais causas da migração na América Central

Moçambique: Amnistia Internacional quer que o Papa Francisco aborde direitos humanos