rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

Renamo Moçambique Ossufo Momade Acusações Guerrilha Paz Frelimo MDM Assassínio

Publicado a • Modificado a

Renamo desmente acusações contra o seu líder

media
Ossufo Momade, presidente da Renamo. Lusa

A Renamo desmente que o seu líder, Ossufo Momade, tenha assassinado um dos brigadeiros deste partido de oposição -como tem sido denunciado por alguns antigos guerrilheiros- e promete apresentá-lo publicamente em breve para comprovar que se encontra vivo.


Na Quarta-feira, um grupo de guerrilheiros do braço armado da Renamo ameaçou matar o líder do partido, Ossufo Momade, caso não renunciasse ao cargo, acusando-o de estar a destruir o partido em conivência com os Serviços de Informação e Segurança do Estado (SISE). Por esta ocasião, o porta-voz do grupo, o antigo major general Mariano Chissinga, acusou o líder do partido de perseguir e executar oficiais da antiga guerrilha, mencionando o alegado assassinato de um brigadeiro no passado dia 3 de Junho na Gorongosa. Estas acusações foram logo desmentidas no dia seguinte pelo porta-voz da Renamo, José Manteigas.

Reagindo novamente a esta acusações, desta vez pela voz de André Magibire, Secretário-geral da Renamo, o partido da perdiz garantiu que o referido brigadeiro se encontra vivo e em segurança numa das suas bases e que em breve ele será apresentado ao público. "Ossufo Momade não é, nem foi, nem será um assassino" insistiu André Magibire.

Ainda assim e face às acusações contra o líder da Renamo, o MDM, segunda força política da oposição, apelou à intervenção da Procuradoria, referindo recear que a situação possa comprometer a realização das eleições gerais do próximo 15 de Outubro. No mesmo sentido, a Frelimo no poder, através do seu porta-voz Caifadine Manasse, expressou alguma preocupação. "Temos que trabalhar para continuar a ter paz" declarou Manasse que no entanto considera que estes sobressaltos não vão ter impacto no processo eleitoral. Mais pormenores com Orfeu Lisboa.

Orfeu Lisboa, correspondente da RFI em Maputo 16/06/2019 ouvir