rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

Renamo Moçambique Frelimo MDM Daviz Simango Política Recenseamento Eleições Autárquicas

Publicado a • Modificado a

Frente Comum MDM/Renamo “é uma janela aberta”

media
Daviz Simango, líder do Movimento Democrático de Moçambique (MDM) Cristiana Soares

Daviz Simango, líder do Movimento Democrático de Moçambique, não descarta a possibilidade de uma frente comum MDM/Renamo para tirar Frelimo do poder. As eleições autárquicas em Moçambique estão previstas para Outubro de 2018.


Daviz Simango, líder do Movimento Democrático de Moçambique (MDM), não descarta a possibilidade de uma frente comum MDM/Renamo para tirar Frelimo do poder.

Espero que as políticas do MDM e da Renamo venham a convergir em estratégias eleitorais (…) para conseguir alcançar os resultados esperados”, sublinhou o líder do terceiro partido com representação parlamentar em Moçambique. Acrescentando que “tanto o MDM como a Renamo lutam para chegar ao poder” e há, por isso, necessidade de encontrar forma de lá chegar.

À questão sobre a criação efectiva da frente comum contra a Frelimo, o presidente do município da Beira garantiu que "é sempre uma janela aberta” que permite a “passagem do vento” e “ninguém impede que o vento passe”, concluiu.

Daviz Simango lembrou que o MDM e a Renamo são partidos de centro-direita, ambos membros da Internacional Democrata Centrista (IDC), que tem o líder do MDM como um dos vice-presidentes da IDC África: “portanto, ideologias comuns, princípios em algum momento diferenciados, mas no fim do dia a ideologia é comum”.

Daviz Simango, líder do MDM, terceira força política de Moçambique 14/05/2018 ouvir

Já a 14 de Março, na segunda volta da eleição autárquica intercalar no município de Nampula, o MDM apoiou o candidato da Renamo, Paulo Vahanle, que acabou por vencer o sufrágio.

“Recenseamento é uma vergonha”

Sobre o recenseamento eleitoral em curso em Moçambique, Daviz Simango diz tratar-se uma “vergonha”. “Não estou satisfeito com o recenseamento, há transporte de eleitores para ganhar vantagens”.

O processo de recenseamento eleitoral termina dia 17 de Maio, decorre em todas as 53 cidades e vilas autárquicas com vista as eleições municipais deste ano.
As quintas eleições autárquicas em Moçambique estão previstas para 10 de Outubro de 2018.

O líder do terceiro partido com representação parlamentar espera que o sufrágio seja um “exemplo de tranquilidade porque (…) qualquer falha, negligência ou abuso por parte dos órgãos eleitorais pode empurrar o país para o caos”.

Daviz Simango, líder do MDM, terceira força política de Moçambique 14/05/2018 ouvir