rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

Renamo Crise política Frelimo Guerra Negociações de paz

Publicado a • Modificado a

Moçambique vai ser diferente, garante Renamo

media
Afonso Dhlakama, Líder da RENAMO, o maior partido da oposição em Maoçambique

Afonso Dlhakama, líder da Renamo, na oposição em Moçambique, garante que o país vai ser diferente com a implementação de um acordo sobre a descentralização, protocolo revelado ontem pelo chefe de Estado Filipe Nyusi.


O chefe da oposição moçambicana falava por telefone com a agência Lusa em Maputo.

Dlhakama continua refugiado na Gorongosa, centro do país, mas afirmou o seu optimismo em relação aos avanços obtidos nas negociações com o governo central.

"Avançámos muito. Ninguém até acreditava que haviamos chegado aonde chegámos. De certeza que Moçambique vai ser diferente do Moçambique de hoje", referiu o líder do movimento da perdiz.

Afonso Dlhakama, líder da Renamo, entrevistado pela agência Lusa sobre paz 08/02/2018 ouvir

E isto no dia seguinte ao anúncio pelo presidente da república Filipe Nyusi de uma proposta de revisão da constituição.

Uma reforma visando contemplar o facto de os governadores provinciais passarem a ser nomeados pelo chefe de Estado, sob proposta do partido vencedor das eleições provinciais e distritais.

"Ninguém ganhou 100% nem a Frelimo, nem o Nyusi nem o Dlhakama, mas o povo", rematou Dlhakama", admitindo que as negociações tinham sido "duras".

Porém Afonso Dlhakama alega ser necessário combater "irregularidades fortes" devido à composição e acção do STAE, Secretariado técnico de administração eleitoral.

Afonso Dlhakama, líder da Renamo, entrevistado pela agência Lusa sobre o caso do STAE 08/02/2018 ouvir

Para ele é necessário que o STAE fique subordinado à CNE, Comissão nacional de eleições. Caso contrário essa situação poderia, em seu entender, por em causa a paz negociada com o governo central.

Com a colaboração da Agência Lusa.