rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

Moçambique Filipe Nyusi Eleições Autárquicas Nampula Diplomacia

Publicado a • Modificado a

PR de Moçambique recusa interferências dos parceiros nas eleições

media
Filipe Nyusi, Presidente de Moçambique. THIERRY CHARLIER / AFP

Num encontro mantido esta tarde com o corpo diplomático acreditado na capital moçambicana, o Presidente moçambicano teceu advertências sobre eventuais interferências externas nos pleitos eleitorais a decorrerem este ano no país.


No âmbito de um encontro no Palácio da Ponta Vermelha em Maputo para apresentação de cumprimentos ao estadista, Filipe Nyusi referiu não querer interferências dos parceiros internacionais nas autárquicas marcadas para 10 de Outubro deste ano, mas também e sobretudo na eleição intercalar de Nampula dentro de dois dias, a 24 de Janeiro, na sequência do assassinato no passado mês de Outubro do edil daquele município, Mahamudo Amurane.

"A campanha eleitoral decorreu de forma ordeira caracterizada pelo civismo. O nosso desejo é que este ambiente prevaleça até ao período pós-eleitoral e pós-anúncio dos resultados" referiu o Chefe de Estado antes de acrescentar que "da mesma forma que os nossos parceiros apelam à não-interferência das instituições nacionais, gostaríamos que também respeitassem este processo dos moçambicanos e observem-no com a maior isenção e transparência".

Presidente Filipe Nysui em declarações recolhidas por Orfeu Lisboa, correspondente da RFI em Maputo 22/01/2018 ouvir

Neste sentido, a dois dias das intercalares em Nampula, os órgãos eleitorais garantem que já receberam todo o material e que estão já criadas as condições para a realização da eleição intercalar naquele município do norte do país. Por sua vez, a polícia apelou ao civismo e disse que não vai tolerar actos que perturbem a realização tranquila desta eleição cujos preparativos, ainda há dias, estava a conhecer alguns percalços.

Refira-se a este respeito que a oposição chegou a denunciar a utilização pelo partido no poder de carrinhas do Estado no quadro da sua campanha, jornalistas da emissora católica Rádio Encontro disseram ter sido ameaçados por denunciarem alegadas irregularidades no processo, e há um pouco mais de uma semana, os próprios órgãos eleitorais reconheceram ter constatado algumas anomalias nos cadernos eleitorais, anomalias que dizem entretanto ter resolvido.