rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

Moçambique Economia

Publicado a • Modificado a

Governo moçambicano prevê cortes de despesas em 2018

media
Ministro moçambicano da Economia Adriano Maleiane DR

O ministro moçambicano da economia e finanças anunciou que foi aprovado ontem um pacote de medidas de contenção das despesas dos dirigentes de Estado que vão gerar uma poupança de uns 101 milhões de euros para o ano que vem.


Adriano Maleiane referiu que em 2018, a despesa pública vai representar um pouco mais de 30% do PIB enquanto representava cerca de 43% em 2014.

Em declarações à imprensa, o titular do pelouro das finanças explicitou que essas poupanças vão traduzir-se nomeadamente na imposição de um tecto para a renda de casa dos responsáveis e entidades do Estado, o que poderá representar uma economia de um pouco mais de 15 milhões de Euros.

A partir de 2018, Adriano Maleiane referiu que vão ser igualmente aplicados limites relativamente à aquisição de veículos protocolares e balizas para o consumo de combustível, o que poderia traduzir-se numa poupança de 3,4 milhões de Euros.

Desde 2015, Moçambique tem estado a atravessar uma crise económica agravada pelo peso da sua dívida, o que levou os parceiros do país, nomeadamente o FMI e o Banco Mundial a suspender o seu apoio a este país que depende ainda muito dos contributos internacionais para o seu orçamento.

Em 2018, o executivo moçambicano prevê uma despesa total de uns 4 mil milhões de Euros, um aumento de 11% comparativamente com este ano, num contexto em que o défice orçamental ronda os 3,9% do PIB, uma diminuição relativamente às previsões de 2017 de 6,1% de défice.