rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

Eleição presidencial PAIGC Domingos Simões Pereira Cipriano Cassamá Guiné-Bissau Primárias

Publicado a • Modificado a

Guiné-Bissau: PAIGC elege candidato às presidenciais

media
Bandeira do PAIGC e da República da Guiné-Bissau SEYLLOU SEYLLOU / AFP

Os 351 membros do Comité Central do PAIGC escolhem esta sexta-feira entre 5 nomes o candidato do partido às eleições presidenciais de 24 de Novembro, o presidente desta força política, Domingos Simões Pereira, é tido como favorito.

 


Como dizia esta manhã um dirigente do PAIGC, só um ‘tsunami’ poderá impedir a escolha de Domingos Simões Pereira como candidato do partido às presidenciais de 24 de Novembro.

Os 351 membros do Comité Central do PAIGC escolhem esta sexta-feira (23/08) em eleições primárias o candidato do partido, através de uma votação secreta.

Em liça estavam seis pré-candidatos: Domingos Simões Pereira, Francisco Benante, Serifo Nhamadjo, Mário Lopes da Rosa, Cipriano Cassamá e Cadi Seidi.

Mussa Baldé, corrspondente em Bissau 23/08/2019 ouvir

Mas a atual ministra da Família e Coesão Social, Cadi Seidi, desistiu a favor de Domingos Simões Pereira e este considera-se pronto para ser o candidato do PAIGC, para vencer as presidenciais de novembro e colocar a Guiné-Bissau no rumo do desenvolvimento.

Os presidentes Paul Kagamé do Ruanda e Nana Akoufo do Gana são modelos que Domingos Simões Pereira elegerá, para aquilo que quer da Guiné-Bissau.

Os sinais que conseguimos recolher na reunião do Comité Central, apontam no sentido de ser Domingos Simões Pereira o candidato do PAIGC, mas os seus principais adversários na escolha interna do partido, o antigo presidente guineense de transição, Serifo Nhamadjo, e o presidente do Parlamento, Cipriano Cassamá, estão com receios.

E se Domingos Simões Pereira for o candidato do PAIGC e se perder as presidenciais a favor do atual chefe de Estado, José Mário Vaz ou a favor do antigo primeiro-ministro, Carlos Gomes Júnior, qual seria o seu futuro político, já que deixaria de ser o líder do PAIGC.

A estes receios, Domingos Simões Pereira respondeu no seu discurso de apresentação de uma moção de estratégia em como não poderá fugir ao seu destino e que se sente preparado para pagar o seu quinhão à Guiné-Bissau.