rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

Campanha eleitoral Final Eleições Guiné-Bissau 2019 Legislativas CNE Sociedade civil

Publicado a • Modificado a

Tudo a postos para as legislativas guineenses

media
José Pedro Sambu, presidente da Comissão Nacional de Eleições da Guiné-Bissau. RFI/Liliana Henriques

Está prestes a terminar à meia-noite a campanha eleitoral para as legislativas de Domingo na Guiné-Bissau, com os 21 partidos candidatos a queimar os últimos cartuchos esta noite. No final da tarde em Bissau, o ambiente era de festa, com os apoiantes das diferentes formações concorrentes a revestirem as cores do seu partido e caminhar pelas ruas da cidade em clima de festa para os mega-comícios finais.


Enquanto isso, o ambiente tem sido mais estudioso na Comissão Nacional de Eleições onde se ultimam os preparativos das eleições. Esta manhã, ao reconhecer alguns percalços nomeadamente no respeitante à polémica em torno dos cadernos eleitorais, o Presidente da CNE, José Pedro Sambu, considerou ter completado 90% do processo.

José Pedro Sambu, presidente da CNE da Guiné-Bissau 08/03/2019 ouvir

Também atentas estão as organizações da sociedade civil. Em conferência de imprensa esta manhã, várias organizações entre as quais a Plataforma Política das Mulheres ou ainda o GOSCE, Grupo das Organizações da Sociedade Civil para as Eleições, anunciaram que iriam monitorar juntas o processo eleitoral.

Estas organizações que vão contar com um total de 420 pessoas repartidas por todo o país para recolher dados a serem centralizados numa célula de análise no intuito de detectar eventuais situações anómalas e informar as entidades competentes. Ao referir qual será o contributo da sua organização nesse trabalho colectivo, Rui Jorge Semedo, coordenador do GOSCE, fez um balanço do período pré-eleitoral.

Rui Jorge Semedo, coordenador do Grupo das organizações da sociedade civil para as eleições na Guiné-Bissau 08/03/2019 ouvir

Apesar de uma campanha renhida com denúncias de “gastos exagerados” e “demasiada ostentação” ou ainda acusações de tentativa de compra de consciências, até ao momento não foi registado formalmente nenhum incidente. Mais de 761 mil eleitores vão ser chamados às urnas no Domingo para escolher entre os candidatos de 21 partidos quem vai ocupar os 102 assentos que conta a Assembleia Nacional Popular da Guiné-Bissau.