rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

Campanha eleitoral Legislativas Guiné Bissau Partidos Comício África Lusófona

Publicado a • Modificado a

Começou ontem a campanha eleitoral na Guiné Bissau

media
Arrancou campanha para eleições legislativas de 10 de março na Guiné Bissau DR/Parlément Bissao

Arrancou ontem na Guiné Bissau a campanha para as eleições legislativas de 10 de março e que vai durar 21 dias. Os partidos já estão no terreno  e estiveram mais pelos lados do leste do país, defendendo os seus programas nos seus comícios, alguns muito concorridos. Tudo começou na calma apesar de receios de incidentes.


Havia receios de incidentes, mas na verdade a campanha eleitoral arrancou com os principais partidos concorrentes na zona leste do país, sem quaisquer incidentes.

Gabu e Bafatá foram os palcos dos comícios de abertura dos 21 dias da campanha, com os líderes dos partidos PAIGC, PRS e MADEM a assumirem perante milhares de apoiantes a vitoria nas eleições de 10 de março.

Em Gabu, a 200 quilómetros de Bissau, estiveram Domingos Simões Pereira, do PAIGC e Alberto Nambeia do PRS, tendo ambos prometido melhorias de condições de vida à população em caso de vitória.

Alberto Nambeia anunciou um polo universitário em Gabu caso o PRS chegue ao poder, Domingos Simões Pereira prometeu retomar a implementação das iniciativas elaboradas pelo seu Governo, em 2015, entretanto demitido pelo Presidente José Mário Vaz.

Antes da queda daquele Governo, os parceiros da Guiné-Bissau prometeram um envelope financeiro de 1,5 mil milhões de dólares numa mesa redonda realizada na Bélgica.

Também no leste, em Bafatá, a 150 quilómetros de Bissau, o MADEM, partido criado em 2018, por dissidentes do PAIGC, fez a abertura da sua campanha eleitoral. Soares Sambu, antigo chefe da diplomacia guineense, quadro sénior do MADEM, aproveitou para criticar o Presidente de Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca, pelo facto de declinar o convite das autoridades de Bissau para vir realizar uma visita.

Para Soares Sambú, o gesto de José Carlos Fonseca é uma desconsideração aos guineenses, até porque vinha a Bissau não como presidente de Cabo Verde, mas sim como presidente em exercício da conferência de chefes de Estado da CPLP.

De Bissau, o nosso correspondente, Mussá Baldé.

Mussá Baldé, correspondente, em Bissau 17/02/2019 ouvir