rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

África África Lusófona Guiné-Bissau Turquia Energia Elétrica

Publicado a • Modificado a

Energia eléctrica reforçada em Bissau

media
Bissau. 12 de Fevereiro de 2018. XAUME OLLEROS / AFP

As autoridades guineenses e uma empresa turca assinaram, hoje, um acordo que pretende melhorar o fornecimento de energia eléctrica na capital guineense. 


O acordo foi assinado na quinta-feira ao final do dia entre o primeiro-ministro guineense, Aristides Gomes, e um representante da Karpopowership, que pertence ao grupo Karadeniz Energy Group, em Istambul, na Turquia.

O projecto prevê a instalação de geradores de corrente num navio, em alto mar, o que vai permitir aumentar a potência de abastecimento de 15 para 36 megawatts, num espaço de um ano.

A Guiné-Bissau é actualmente abastecida, no âmbito de um outro contrato com a empresa britânica, Agrekklo, de uma forma intermitente com 15 megawatts. Todavia, são precisos 30 megawatts para abastecer os cerca de 500 mil habitantes de Bissau.Uma realidade que será alcançada com este acordo, defende o ministro da Energia, Serifo Embaló, explica aqui os ganhos imediatos do acordo com os turcos.

“Com esta assinatura a Guiné-Bissau vai passar a ter energia com maior potência, porque passamos de 15 megawatts para 18, na primeira fase. A produção de energia através do barco flutuante vai passar a usar o fuel. Isto demonstra que o governo está engajado para resolver, pelo menos nos próximos anos, o problema da energia eléctrica na cidade de Bissau", defendeu.

A empresa turca, representada pelo director geral, Patrick Odriscoll, espera apenas que as partes cumpram com o acordado, para que faça na Guiné-Bissau o que já vem fazendo em outros países africanos.

O primeiro-ministro, Aristides Gomes, enalteceu o facto de o país estar a operar uma pequena revolução no domínio da produção de energia que passa a ser mais barata para população.

A rede eléctrica na Guiné-Bissau data dos anos 40, em consequência retém uma grande parte da energia produzida não consegue chegar ai consumidor.

Correspondência Mussá Baldé 12/10/2018 ouvir