rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

Guiné-Bissau Política Eleições África Lusófona Recenseamento Eleição Voto Partidos Políticos

Publicado a • Modificado a

Guiné-Bissau: Partidos políticos asseguram eleições em Novembro

media
Imagem de Ilustração. Isaac Kasamani / AFP

Os cinco partidos com assento no actual parlamento asseguram que as eleições são mesmo para serem realizadas a 18 de Novembro, isto apesar dos problemas que alguns eleitores têm para realizar o recenseamento.


O processo eleitoral, visando a votação para a escolha de novos deputados, votação marcada para 18 de Novembro, continua envolto em muita polémica entre a classe política e pouca certeza entre a população.

Os políticos continuam divididos sobre a data do escrutínio. Os cinco partidos com assento no actual parlamento, com mais ou menos veemência, garantem que as eleições são mesmo para serem realizadas a 18 de Novembro. Os partidos que não têm representação parlamentar dizem que dia 18 de Novembro é impossível.

O governo diz que é possível e que o recenseamento de potenciais eleitores decorre normalmente. A ministra da Administração do Território, Ester Fernandes, afirma que o recenseamento terminará no dia 20 deste mês.

A questão que se coloca é saber se até lá e com todos os constrangimentos no terreno, serão registados os cerca de 950 mil potenciais eleitores, conforme as projecções.

É que dos 350 equipamentos de registo, os famosos “kits” do recenseamento, prometidos pela Nigéria, apenas chegaram a Bissau, 150. O Governo diz que nos próximos dias devem chegar mais “kits”, mas até que cheguem a população queixa-se de muita lentidão no acto do registo.

A população ainda se queixa que as máquinas de recolha biométrica de dados pessoais denotam dificuldades para leitura facial às pessoas com dificuldades de visão ou perante pouca luz, o que as faz perder imenso tempo nas filas do recenseamento. Numa altura em que este é o período do trabalho nos campos agrícolas nas comunidades rurais.

Mais pormenores com o nosso correspondente, Mussá Baldé.

Correspondência de Bissau 03/10/2018 ouvir