rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo
  • Morreu Aretha Franklin, a voz da soul

África África Lusófona Guiné-Bissau Aristides Gomes Eleição Ajuda financeira União Europeia FMI

Publicado a • Modificado a

Aristides Gomes vai pedir apoio financeiro à UE

media
Aristides Gomes vai pedir o apoio financeiro à União Europeia para a realização das eleições legislativas. AFP FOTO / GEORGES GOBET

O chefe do executivo guineense viajou para Bruxelas onde vai pedir apoio financeiro europeu para a realização das eleições legislativas, previstas para 18 de Novembro. Antes de deixar o país, Aristides Gomes afirmou que os partidos políticos com assento parlamentar estão a trabalhar juntos com vista à criação de um pacto para a estabilidade política no país.
 


"Os partidos representados na assembleia estão a construir um pacto de estabilidade. Como sabem, estamos a preparar um pacto de estabilidade cujo ‘draft' já está distribuído para os partidos políticos", declarou Aristides Gomes, no aeroporto de Bissau, antes de partir para Bruxelas.

O primeiro-ministro afirmou que o pacto de estabilidade pretende construir uma base para a futura governação do país, após a realização de eleições. Aristides Gomes acrescentou que o actual o actual executivo resulta de um consenso entre partidos políticos, com a aceitação do chefe de Estado, José Mário Vaz, Aristides Gomes disse que há um novo "espírito de diálogo" no país.

Financiamento das eleições

Em Bruxelas, Aristides Gomes vai pedir o apoio financeiro europeu para a realização das eleições legislativas previstas para 18 de Novembro. A União Europeia é o principal parceiro financeiro do processo eleitoral e da consolidação da democracia no país.

O primeiro-ministro faz-se acompanhar pelo ministro dos Negócios Estrangeiros da Cooperação Internacional e das Comunidades, João Ribeiro Butiam Có. Esta visita acontece três dias depois do périplo que o chefe de executivo realizou a seis países da sub-região e onde recebeu as garantias da Comunidade Económicas dos Países da Africa ocidental para o financiamento do escrutínio.

O governo disponibilizou cerca de 1,5 milhões euros, a União Europeia prometeu um financiamento idêntico, porém são precisos 7,5 milhões de euros para financiar integralmente as eleições legislativas.

"Muito satisfeito com a decisão do FMI"

O primeiro-ministro disse ainda "estar muito satisfeito" com a decisão do Fundo Monetário Internacional que reconheceu os esforços feitos para manter o programa de facilidade ao crédito. O FMI aprovou na sexta-feira a quinta avaliação ao programa de apoio à Guiné-Bissau, desembolsando cerca de 4 milhões de euros e alargou, a pedido das autoridades, o período de intervenção até 2019.
 

Confira aqui a correspondência de Bissau com Mussá Baldé.

Correspondência de Bissau 06/06/2018 ouvir