rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

PAIGC Guiné-Bissau Congresso Crise política Polícia CEDEAO

Publicado a • Modificado a

Levantado cerco à sede do PAIGC que retomou o seu congresso

media
Interior da sede do PAIGC em Bissau Miguel Martins/RFI

Depois de a CEDEAO ter ameaçado avançar com sanções aos políticos que estão a impedir o consenso na Guiné-Bissau, esta entidade reclamou igualmente o fim do cerco policial em torno da sede do partido PAIGC. Neste sentido, o novo Primeiro-Ministro guineense, Artur Silva, deu orientações às forças policiais que acabaram por se retirar ontem à noite do local que ocupavam desde Segunda-feira.


Logo em seguida, o PAIGC retomou ainda na quinta-feira à noite os trabalhos do seu congresso. O líder do PAIGC, Domingos Simões Pereira, que tem agora a sua segurança pessoal reforçada com soldados da CEDEAO falou na "vitória da tenacidade dos militantes do seu partido", mas também no vincar da democracia. O congresso do PAIGC, que é neste momento o grande acontecimento na Guiné-Bissau, decorre sem a presença dos 15 deputados expulsos do partido, mas que foram chamados a retomar a sua militância.

Quem todavia participa, na qualidade de militante e delegado ao congresso, é o novo primeiro-ministro, Artur Silva, que ainda na quinta-feira à noite esteve reunido com o líder do PAIGC, Domingos Simões Pereira. Apesar de reconhecer as qualidades técnicas e profissionais do novo chefe do governo, o líder do partido maioritário ainda ontem condenou a nomeação de Artur Silva por esta decisão estar "fora do quadro constitucional e do Acordo de Conacri".
Mais pormenores com Mussa Baldé.

Mussa Baldé, correspondente da RFI em Bissau 02/02/2018 ouvir

Refira-se por outro lado que hoje um grupo de intelectuais guineenses divulgou uma carta aberta na qual expressam a sua "profunda preocupação" perante a degradação do ambiente político e social no país. Nesta missiva rubricada nomeadamente pelo escritor Adulai Silá, o economista Carlos Lopes ou ainda o jornalista e escritor Tony Tcheka, os signatários lamentam que a classe política "não tenha medido as consequências" das lutas pelo poder e lançam igualmente um apelo a favor da preservação da paz social e da consolidação da unidade nacional.