rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

África África Lusófona Guiné-Bissau CEDEAO

Publicado a • Modificado a

Partidos guineenses pedem imparcialidade à CEDEAO

media
Carro numa estrada de Bissau nas imediações da assembleia nacional SEYLLOU / AFP

Um grupo de partidos da Guiné-Bissau, até aqui no governo, insurgiu-se esta segunda-feira contra a forma de mediação da Comunidade Económica de Países da África Ocidental que pedem que seja isenta e imparcial.


O grupo é constituído pelo PRS, um colectivo de 18 partidos sem assento no Parlamento, deputados de dois partidos com assento no hemiciclo e ainda pelos parlamentares expulsos do PAIGC

Em conferência de imprensa Fernando Vaz, líder da União Patriótica Guineense (UPG, extraparlamentar) e ministro do Turismo no Governo demissionário, apelou à CEDEAO "que seja isenta e imparcial" na condução da mediação da crise política na Guiné-Bissau.

Fernando Vaz, líder da União Patriótica Guineense 22/01/2018 ouvir

A delegação da CEDEAO deixou Bissau, na semana passada, com ameaças de sanções contra os que impedem a implementação do Acordo de Conacri que prevê a formação de um governo consensual.

As conclusões da missão da CEDEAO serão apresentadas durante a sessão extraordinária da reunião de chefes de Estado e Governo que decorre a 27 de Janeiro em Addis Abeba.

 

Com a colaboração de Mussá Baldé.