rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

Direitos Humanos Ataques Guiné Bissau Políticos Militares População

Publicado a • Modificado a

Defensores dos direitos humanos atacados na Guiné Bissau

media
Hospital Simão Mendes, em Bissau, onde defensores dos direitos humanos são atacados. Liliana Henriques / RFI

Foi lançada hoje a Rede Nacional dos Defensores de direitos Humanos da Guiné Bissau, com o apoio da sociedade civil e da ONU, rede que congrega 43 organizações. O lançamento desta rede surge numa altura em que defensores dos direitos humanos são atacados por militares, políticos e mesmo pela população, que combatem a acção desses activistas.


São dados preocupantes para as Nações Unidas e para as organizações guineenses que trabalham na defesa dos direitos humanos.

Há cada vez mais casos em que os próprios defensores dos direitos humanos são atacados pelo poder político, poder militar e até mesmo pelas próprias populações.

Aquelas pessoas que denunciam o casamento precoce ou forçado, a violência doméstica, a prática da excisão, o roubo do gado, o abuso do Estado, crimes ambientais ou denunciam ataques às pessoas acusadas de feitiçaria, são cada vez mais atacadas.

Nalguns casos perdem a vida, perdem o emprego ou são obrigadas a mudar de aldeia ou do próprio país.

Com o apoio da ONU, foi hoje formalmente apresentada a rede de defensores dos direitos humanos na Guiné-Bissau.

Neste momento são 43 organizações filiadas na rede mas Fodé Mané acredita que haja mais organizações e pessoas individuais que queiram aderir à organização.

A rede de protecção dos defensores dos direitos humanos elege como estratégia primeiro denunciar casos de perseguição ou de ataques aos activistas, o patrocínio jurídico de pessoas visadas e a busca de meios alternativos de subsistência dos activistas.

De Bissau, o nosso correspondente, Mussá Baldé.

Mussá Baldé, correspondente, em Bissau 09/12/2017 ouvir