rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

Governo Guiné-Bissau Carnaval Crise Crise financeira África África Lusófona

Publicado a • Modificado a

A crise também afectou o Carnaval da Guiné-Bissau

media
Rua de Bissau. ISSOUF SANOGO/AFP

"Carnaval como factor de inserção social económica" foi o lema escolhido, este ano, para animar a maior festa popular na Guiné-Bissau. O carnaval não escapou às consequências da crise e a um braço-de-ferro entre o governo e a comissão organizadora.


Quatro dias de folia. Muito povo nas ruas. A festa, que deve terminar esta terça-feira, concentra-se em Bissau. O carnaval deste ano ficará na história pelo braço-de-ferro entre a comissão organizadora e o governo devido às verbas para a festa.

Só à última hora é que o Governo decidiu dar dinheiro para que fosse organizado o tradicional desfile. A comissão organizadora tinha apresentado um orçamento de mais de 200 milhões de francos CFA, cerca de 131 mil euros, mas o Governo mostrou-se indisponível para dar todo esse dinheiro e só na véspera é que o executivo avançou com parte dos fundos.

Às pressas, a comissão organizadora chamou os grupos para um concurso. As oito regiões do interior fizeram-se representar mas, de Bissau, apenas participaram no desfile três bairros: Brá, Chada e Chão de Papel e Chão de Papel, este último vencedor do Carnaval 2017.

O atraso na entrega do dinheiro e a indefinição sobre se havia ou não desfile fizeram com que o carnaval deste ano ficasse aquém das expectativas habituais. Os foliões dizem que tudo foi organizado às pressas.

Oiça aqui a reportagem de Mussa Baldé, correspondente em Bissau.

Reportagem de Mussa Baldé 28/02/2017 ouvir