rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

Educação Português Lusofonia Embaixador Língua portuguesa língua Ensino

Publicado a • Modificado a

Português continua a contar para acesso às universidades francesas

media
Nova reforma do ensino em França retira português das provas de acesso ao ensino superior AFP

Um projecto-piloto na região de Paris e na Guiana francesa vai testar a atractividade do ensino do português, depois de o Governo francês ter retirado a língua como prova de acesso ao ensino superior.


O Português estava para ser retirado, em França, do conjunto de exames nacionais que podem ser utilizados para acesso ao ensino superior, mas afinal, no próximo ano o Governo francês decidiu fazer um teste e permitir que os estudantes da região de Paris e da Guiana Francesa possam optar por utilizar a língua como ingresso na universidade.

A medida foi anunciada esta semana pelo embaixador de Portugal em França, Jorge Torres Pereira, que explicou tratar-se de um projecto-piloto nestes dois territórios, pelo que ficará dependente da adesão dos estudantes à medida.

É, por isso que, segundo o diplomata, terá que se "aumentar a atractividade do português, não só junto das crianças da comunidade lusodescente, mas também na comunidade estudantil em geral".

Embaixador português em Paris, Jorge Torres Pereira 06/07/2019 ouvir

A reforma do ensino levada a cabo pelo governo francês - em que o português perde preponderância na nota final dos alunos, já que passa a contar apenas para a avaliação contínua - levou a que os embaixadores dos países lusófonos reunissem esforços para pressionar o executivo gaulês a inverter a medida.

Várias associações lusófonas também se envolveram no processo.  A Associação para o Desenvolvimento dos Estudos Portugueses, Brasileiros, Africanos e Asiáticos Lusófonos (ADEPBA) chegou mesmo a organizar uma petição ao afirmar existir uma “discriminação” do português. 

O diplomata português anunciou, ainda, a criação da Comissão do Acompanhamento do Português em França. O objetivo passa por fomentar o ensino da língua, que para o embaixador, devido "à demografia, nomeadamente em África, ficará consolidada como língua global".