rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo
Urgente
Croácia apurou-se para oitavos de final derrotando a Argentina por 3 a 0

França Lei Asilo Migrantes Refugiados Imigração Emmanuel Macron

Publicado a • Modificado a

França: aumento de pedidos de asilo em 2017

media
Refugiados africanos chegados a França no dia 18 de Dezembro de 2017 AFP

Os pedidos de asilo em França, ultrapassaram os 100.000 no ano de 2017, numa altura em que o Presidente Emmanuel Macron tenciona submeter uma nova lei da imigração, que poderá debates acesos no Assembleia. O chefe de Estado francês preconiza uma maior firmeza em matéria de imigração. No seio do seu partido La Répulique en Marche,que detem a maioria absoluta no parlamento, divergências existem no respeitante à algumas propostas do governo.


O novo projecto de lei sobre a imigração em França , que semeia a discórdia no seio da maioria governamental, será divulgado no mês de Fevereiro. Por intermédio do mesmo, o Presidente Emmanuel Macron e o seu Primeiro-ministro Edouard Philippe tencionam encurtar os prazos de gestão dos pedidos de asilo, para segundo eles, melhorar as condições de acolhimento dos refugiados cujos processos forem deferidos.

Todavia, Macron e Philippe prometeram igualmente medidas mais duras em relação aos migrantes económicos, que serão submetidos a controlos mais rigorosos e à deportação.

Dos 100.412 pedidos de asilo efectuados em França, uma maioria são de albaneses com 7,600 . De acordo com Pascal Brice , director do Departamento de Protecção e Acolhimentos de Refugiadps(OFPRA) o aumento de pedidos por parte dos albaneses, deve-se aos problemas económicos enfrentados pelo país do Balcãs.

Brice, declarou que o governo da Albânia anunciou um plano de luta contra o tráfico de albaneses para os Estados da União Europeia.

O segundo maior grupo de requerentes de asilo, é composto por afegãos com 6.000 pessoas,seguido por haitianos, guianeses e sudaneses.Pascal Brice, sublinhou que se regista igualmente um aumento de pedidos de asilo provenientes de cidadãos da África francófona, nomeadamente da Costa do Marfim e República Democrática do Congo.