rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

França Meio Ambiente Biodiversidade Animais Flora

Publicado a • Modificado a

Criação da Agência Francesa de Biodiversidade é aprovada

media
Ministra francesa da Ecologia, Segolène Royal, defende criação da Agência Francesa de Biodiversidade, na Assembleia Nacional.. REUTERS/Jacques Demarthon/Pool

A Assembleia Nacional da França aprovou nesta quarta-feira (18) a criação da Agência Francesa de Biodiversidade (AFB), o carro-chefe da nova lei sobre a proteção da fauna e da flora do país. A agência vai aumentar as políticas de preservação e ajudar a coordenar os serviços ambientais do país, que neste ano recebe a 21ª Conferência das Nações Unidas sobre o Clima.


O texto, elaborado pela ministra da Ecologia, Ségolène Royal, está sendo analisado pelos deputados nesta semana. A agência francesa vai reunir 1,2 mil funcionários que hoje se dividem em outros quatro organismos ambientais: o de água, espaços naturais, mares e parques nacionais.

Caça não fará parte

O Escritório Nacional da Caça e da Flora Selvagem, entretanto, ficou de fora. A decisão desagradou as associações de proteção dos animais, que avaliam que o Parlamento cedeu às pressões das entidades de caçadores. O partido UMP, de oposição, conseguiu acrescentar uma emenda que impede a integração do escritório à agência.

A abertura da AFB era uma promessa do presidente socialista François Hollande. A instituição será a segunda mais importante do Estado francês sobre as questões de meio ambiente, depois da Agência Ambiental e do Controle da Energia (Ademe).

A AFB terá um orçamento de € 225 milhões, além de € 60 milhões em investimentos em projetos ligados à água e a biodiversidade. Cerca de 80% da fauna e da flora francesas hoje se encontram nos territórios ultramarinos.