rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

Desenvolvimento Ecologia

Publicado a • Modificado a

Onu mostra que investir em desenvolvimento sustentável é lucrativo

media
Medidas ecológicamente responsáveis podem criam empregos à longo prazo. REUTERS/Lucy Nicholson

Um relatório anual das Nações Unidas aponta as vantagens de investimentos sustentáveis para a economia mundial. Segundo o documento, divulgado nesta segunda-feira, o chamado “modelo verde” poderia gerar empregos em setores como agricultura, construção civil e transporte.


O recado das Nações Unidas é claro : é preciso investir 2% do PIB mundial para promover o desenvolvimento sustentável no planeta. Para chegar a essa conclusão, os especialistas da ONU simularam dois cenários para o período que vai de 2011 a 2050. O primeiro usa o atual modelo econômico, e o outro, o chamado “modelo verde”, onde cerca de 1,3 trilhões de dólares seriam investidos todos os anos em dez setores essenciais, que vão da energia ao turismo.

O sistema atual promoveria maior crescimento econômico até 2015, mas depois o “modelo verde” iria se impor como melhor opção e a partir de 2030 promoveria crescimento de 2,7%, contra 2,2% do outro primeiro modelo. As conclusões foram apresentadas nesta segunda-feira aos ministros do meio ambiente de mais de 100 países, na abertura do Fórum Global de Ministros do Meio Ambiente do Pnuma, o programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, em Nairobi, no Quênia.

O relatório revela ainda que o cenário "verde" garantiria imediatamente mais empregos em setores como agricultura, construção civil e transporte. Por outro lado, reduziria a oferta de trabalho em setores como a pesca, devido ao tempo necessário para recompor os estoques naturais.

Outro argumento de peso é de que o modelo "verde" é uma resposta a problemas ligados ao aquecimento climático, resultado de crises ligadas à exploração de energias fósseis e o mau uso dos recursos naturais do planeta. O documento pede ainda que governos orientem suas ações e incentivem os investimentos privados para a economia verde. O relatório é apresentado como uma contribuição às discussões da Rio+20, o encontro previsto em 2012, que tem como objetivo fazer um balanço dos 20 anos da Cúpula do clima realizada no Rio de Janeiro.