rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo
Convidado
rss itunes

Dia D, Macron apelou à “aliança dos povos livres”

Por Cristiana Soares

O Dia D foi há 75 anos. 6 de Junho de 1944, dia do início do fim da Segunda Guerra Mundial.

Nas cerimónias na Normandia marcam presença o chefe de estado francês Emanuel Macron, o presidente norte-americano Donald Trump, além da primeira ministra britânica Theresa May e do chefe de governo do canada, Justin Trudeau.

No local encontram-se igualmente cerca de 500 veteranos, a maioria já centenária.

Há 75 anos, 6 939 embarcações com 137 700 homens desembarcaram nas praias da Normandia, para libertarem a Europa do jugo nazi.

75 anos após o “Dia D”, Macron agradeceu a liberdade aos veteranos e, frente a Donald Trump, apelou à “aliança dos povos livres” lembrando a ONU, a NATO, e a União Europeia.

Trump, por seu lado, sublinhou que as relações Washington-Paris são “excepcionais” e direccionou o seu discurso para os veteranos: “homens que atravessaram o fogo do inferno, empunhando o patriotismo efervescente de um povo livre, orgulhoso e soberano”, concluiu o presidente dos Estados Unidos da América.

Para analisar as cerimónias dos 75 anos do Dia D a RFI ouviu Rafael Lucas, investigador do Centro de Estudos Linguísticos e Literários Francófonos e Africanos em Bordéus.

Associação cabo-verdiana de França organiza jornada de inserção profissional

Moçambique: julgamento "dívida oculta" em simultâneo na África do Sul e EUA

António Francisco analisa o que está em jogo nas eleições moçambicanas

Moçambique: Frelimo diz que "falta de paz" foi entrave ao desenvolvimento

Moçambique: MDM denuncia “comando vertical” envolvido na violência