rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo

França Facebook Eliseu Mark Zuckerberg Emmanuel Macron Legislação Redes Sociais

Publicado a • Modificado a

Patrão do Facebook recebido no Eliseu pelo Presidente Macron

media
Presidente francês, Emmanuel Macron e Mark Zuckerberg, há um ano no Palácio do Eliseu, onde se encontraram de novo esta sexta-feira AFP

O Presidente do Facebook, Mark Zuckerberg, declarou estar "encorajado e optimista quanto à legislação" que os poderes públicos franceses, perspectivam criar sobre as redes sociais. Declarações feitas hoje à saída do Palácio do Eliseu, após ter sido recebido pelo Presidente francês, Emmanuel Macron.     


"Espero bem que a legislação que os franceses querem sobre as redes sociais sirvam de modelo no seio da União europeia", declarou à imprensa, o PCA do Facebook, Mark Zuckerberg, após um encontro com o presidente Macron.

Pouco antes, do encontro no Eliseu, o secretário de Estado do Digital, Cédric O, publicou um relatório sobre a "responsabilização das redes sociais"  preparado por especialistas franceses que trabalharam em colaboração com Facebook.

O secretário de Estado francês para o Numérico, propos a criação duma Autoridade administrativa independente em cada país europeu, encarregado de fazer respeitar pelas redes sociais um princípio de "transpârência" sobre a sua maneira de hierarquizar e moderar conteúdos públicos pelos internautas.

A propagação de conteúdos racistas, sexistas ou incitação ao ódio nas grandes plataformas digitais é um assunto de preocupação crescente dos governos que vêem nisso um risco para o funcionamento das democracias.

Como legislar mundialmente Facebook, Google ou Youtube?

Mas até agora tem sido missão impossivel regulamentar estas plataformas, como Facebook, na primeira linha, mas também, Youtube Snapchat e Twitter.

Por seu lado, Mark Zuckerberg, já tinha apelado os poderes públicos a desempenhar um "papel mais activo" para regular Internet, num artigo de opinião publicado em vários jornais mundias a 30 de março.

Um dos intrumentos jurídicos mais completos nesta matéria que prevê nomaeadamente multas astronómicas contra prevaricações dessas empresas digitais, é o RGPD, Regumento geral sobre a Protecçao de Dados.

Um documento europeu, aplicado na Europa e na maioria dos países sobretudo ocidentais. A Rússia, a China e vários outros países asiáticos e ditaduras, onde se concentra a maior parte da população mundial não se mostram muitos apressados a adoptar o RGPD, que entrou em vigor, em maio de 2018.

Zuckerberg do Facebook recebido no Eliseu pelo Presidente Macron 10/05/2019 ouvir