rfi

No ar
  • RFI em Português
  • Noticiário em Português
  • RFI Mundo
Imprensa Semanal
rss itunes

Argélia, Islão radical no Senegal e França de negociatas

Por João Matos

Abrimos esta Imprensa Semanal, com Argélia, o baile de bobos, capa da JEUNE AFRIQUE, sobre apelos a um 5° mandato ao presidente, Abdelaziz Bouteflika.

Para lá do círculo familiar de Bouteflika e dos seus apoios tradicionais no seio do exército e da FLN, cerca de 15 micropartidos apelam o presidente argelino a apresentar-se a um quinto mandato.

A mesma publicação, refere-se ainda a Bemba ao sol em Portugal. De regresso a Kinshasa, Jean-Pierre Bemba, nao ficou muito tempo porque a 5 de agosto partiu para Bruxelas para se encontrar com os seus delegados do Movimento de libertação do Congo, na Bélgica, em França e na Holanda.

Uma semana depois estava na sua mansão da Quinta do Lago, no Algarve, no sul de Portugal, onde descansa com a família. Segundo uma fonte próxima de Bemba, apesar dele estar desiludido com a decisão da Comissão eleitoral que invalidou a sua candidatura às presidenciais, espera com impaciência pelo dia 19, quando o Tribunal constitucional se pronunciará, definitivamente, sobre o seu recurso.

Nessa altura, Bemba tomará uma decisão se realiza um grande encontro com os outros líderes da oposição, nota, JEUNE AFRIQUE.

Por seu lado, COURRIER INTERNATIONAL, refere-se ao Senegal, onde o Islão radical corre desenfreadamente atrás de fiéis. O papel moderador do sufismo permitiu que o Senegal fosse poupado à ameaça islamita que destabiliza os seus vizinhos.

Mas a rivalidade entre o Irão e a  Arábia saudita põe em causa esta excepção. Não contentes com os seus confrontos na própria região, Riad e Teerão, exportam a sua luta para a África ocidental, nota COURRIER INTERNATIONAL, citando a revista Asia by Africa.

LA LETTRE DU CONTINENT, destaca Gabão, onde Ali Bongo  envolvido até ao pescoço numa crise económica e social sem precedentes, o presidente gabonês prepara várias investidas após as eleições legislativas, para retomar o controlo da vida política no país.

Muito esperado pelo poder em Libreville, o escrutínio organizado entre 6 e 27 de outubro deve permitir a Ali Bongo baralhar as cartas e marginalizar definitivamente os seus principais adversários, entre eles, o irredutível, Jean Ping.

A nível internacional, COURRIER INTERNATIONAL, analisa a inelegibilidade de Lula, às presidenciais no Brasil. A decisão do tribunal superior eleitoral rejeitando a candidatura de Lula era previsível, mas o ex-presidente não baixa os braços e recorreu para a ONU. Mas a decisão do Tribunal eleitoral, não teve em conta um comunicado anterior do comité dos direitos humanos da ONU, preconizando que as instituições brasileiras deviam respeitar o direito de Lula apresentar a sua candidatura. 

Por cá, em França, L'OBS, faz a sua capa, com os Dubai Papers, que revelam o uso corriqueiro de pseudónimos cobrindo pessoas chave na rede do emirado. Sébastien Montessus, que teve uma carreira fulgurante em Areva, é Senhor Tulip.

Este barão obscuro de Areva, empresa de energias nuclear e renovável, segundo L'OBS, construiu uma fortuna considerável e multiplicou operações opacas no estrangeiro. O seu nome aparece numa rede internacional de fraude fiscal e de lavagem de capitais com epicêntro nos Emirados árabes Unidos.

Como outros pseudónimos Queen Elizabeth, para Geraldine Whittaker ou Jacques Delouis, para Florian Guais, Sébastien Montessus, que deixou Areva, mas continua a ser PCA de La Mancha, são acusados de abuso de confiança ou confiança activa de dinheiro público estrangeiro, nota, L'OBS.

Enfim, LE POINT, faz uma edição dupla, com Vinhos, 124 grandes garrafas a menos de 10 euros, feiras de vinhos, como resistir à nova proíbição. Beaujolais um dos grandes vinhos franceses viu chegar uma nova geração rica e talentosa. Marketing não é tudo, porque um bom vinho implica emoção e intimidade entre aquele que bebe e o que imagina por trás do copo, como vinhas, agricultor e produtor, sublinha LE POINT.